Aníbal: Lula rejeitou proposta de reduzir MPs

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva não aceitou a proposta de reduzir a edição de Medidas Provisórias (MPs), feita por parlamentares do PSDB a líderes do governo. A informação foi dada hoje pelo líder do PSDB na Câmara, José Aníbal (SP), depois de ouvir do presidente da Câmara, Arlindo Chinaglia (PT-SP), a decisão do governo. "Não tem acordo", disse Aníbal, que havia sugerido uma espécie de trégua ao governo. A oposição estava disposta a votar as MPs que estão na pauta da Câmara se o Planalto deixasse de editar MPs para que o Congresso pudesse tocar os projetos de iniciativa parlamentar.A oposição continua obstruindo a pauta por conta das MPs, tanto na Câmara quanto no Senado. O presidente do Senado, Garibaldi Alves (PMDB-RN), tem se queixado publicamente do excesso de MPs e os deputados estão discutindo propostas para alterar as regras de tramitação dessas iniciativas. "Não há nada que nos constrange mais e nos inibe mais do que a enxurrada de Medidas Provisórias", disse hoje Garibaldi, durante uma discussão no plenário com o líder do PSDB na Casa, senador Arthur Virgílio (AM).Na semana passada, PSDB e DEM decidiram em reunião não votar mais MPs, cabendo ao governo usar sua maioria para aprová-las. O senador Tasso Jereissati (PSDB-CE) afirmou que a edição de MPs para liberar créditos suplementares do Orçamento é proibida pela Constituição, mas Lula ainda recorre a esse instrumento.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.