Pedro Venceslau/Estadão
Pedro Venceslau/Estadão

Anfitrião de Bolsonaro em Belém, deputado do PSD defende intervenção militar

Eder Mauro diz ter financiado 40 outdoors espalhados pela cidade ao custo total de R$ 14 mil em apoio ao presidenciável

Pedro Venceslau, enviado especial, O Estado de S.Paulo

05 de outubro de 2017 | 14h55

BELÉM - O deputado federal Eder Mauro (PSD-PA) disse ao Estado que pagou "do próprio bolso" pelos 40 outdoors espalhados por Belém saudando a chegada do deputado Jair Bolsonaro (PSC-RJ) na cidade. "Custou R$ 350 cada um. Vou pagar em parcelas", afirmou. 

O parlamentar foi um dos organizadores da manifestação que recebe com estardalhaço o pré-candidato no aeroporto. Em seguida, vão cortar a cidade do Círio de Nazaré em carreata até um centro de convenções. A última pesquisa Datafolha sobre a eleição presidencial, na qual Bolsonaro apareceu em segundo lugar, atrás apenas de Luiz Inácio Lula da Silva, animou seus aliados.  

Questionado sobre a polêmica em torno das declarações do general Antonio Mourão, que defendeu uma intervenção militar no Brasil, o deputado paraense, que passou 20 anos na Polícia Civil antes de ser eleito em 2014, deu razão ao militar.   

"Admiro posicionamento do Mourão. Se a instituições não derem conta do recado e a democracia for ameaçada, não vejo outra saída além da intervenção dos militares. Não vejo o que houve no passado como ditadura, mas como governos militares. Não tinha roubalheira naquela época. Tenho maior respeito pelos governos militares."

Mauro disse que o líder de seu partido, Gilberto Kassab, sabe de sua movimentação em defesa da candidatura de Bolsonaro. 

Para protestar contra a visita, a União de Juventude Socialista (UJS), braço jovem do PCdoB, espalhou pela cidade cartazes comparando Bolsonaro a Hitler.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.