AGU/Ascom/Divulgação
AGU/Ascom/Divulgação

André Mendonça, da AGU, passa a ser o nome mais forte para Ministério da Justiça

Mendonça é considerado leal, mas não é tão íntimo da família Bolsonaro, como Jorge Oliveira, e tem mais trânsito fora do governo do que ele

Eliane Cantanhêde, O Estado de S.Paulo

27 de abril de 2020 | 18h07

O nome mais forte para o Ministério da Justiça passou a ser o do advogado geral da União, André Mendonça, depois que o presidente Jair Bolsonaro se reuniu hoje com ele e com o secretário geral da Presidência, Jorge Oliveira, que vinha sendo considerado o candidato mais forte à vaga do ex-juiz Sérgio Moro.

Bolsonaro trabalhou com uma lista de nomes, de dentro e fora do governo, mas tende para uma opção "da casa", ou seja, do próprio Planalto, e está se concentrando em André Mendonça, que é considerado extremamente leal, mas não é tão íntimo da família Bolsonaro e tem mais trânsito fora do governo do que ele. Como advogado geral da União, Mendonça tem, por exemplo, mais acesso a ministros do Supremo Tribunal Federal.

Caso confirmado o nome de André Mendonça, está praticamente certo qual será seu substituto na AGU: o atual procurador geral da Fazenda Nacional, José Levi Mello do Amaral Júnior. Os dois anúncios seriam, então, feitos simultaneamente.

Entre os nomes de fora do governo que Bolsonaro sondou para o Ministério da Justiça estão juristas de grande relevância e notoriamente conservadores, como o ministro Ives Gandra Martins, ministro do Tribunal Superior do Trabalho (TST), e o desembargador Thompson Flores, do Tribunal Regional Federal da 4ª Região, que condenou o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva à prisão no processo do triplex do Guarujá (SP), conduzido por Moro na primeira instância.

Eles, porém, eram opções colocadas por generais e assessores diretos do presidente, mas desde o início o próprio Bolsonaro prefere alguém, como Jorge Oliveira e André Mendonça, de dentro do governo e de sua estrita confiança. No final, prevalece o temor de que Oliveira sofra muito mais resistência do que Mendonça, já que seu pai trabalhou durante muitos anos com Bolsonaro e ele próprio foi assessor e padrinho de casamento do deputado Eduardo Bolsonaro, o filho 03 do presidente. Assim, Mendonça passou a ser o candidato mais forte.

Só depois de anunciar o nome do ministro o presidente irá também confirmar o novo diretor geral da Polícia Federal na vaga do delegado Maurício Valeixo, que foi demitido na semana passada, gerando a queda de Moro e a nova crise política do governo. O delegado de carreira Alexandre Ramagem é apontado ainda como o nome preferido, mas fontes do Planalto alertam que o martelo não foi ainda mantido e que Bolsonaro costuma ser imprevisível, mudando de opinião na última hora, sem comunicar aos próprios assessores principais.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.