Gabriela Biló/Estadão
Gabriela Biló/Estadão

André Mendonça, da AGU, aceita convite para ser ministro da Justiça

Evangélico, Mendonça é considerado leal, mas não tão próximo à família Bolsonaro quanto Jorge Oliveira, que deve permanecer na Secretaria-Geral da Presidência

Eliane Cantanhêde e Jussara Soares, O Estado de S.Paulo

28 de abril de 2020 | 00h11

O advogado-geral da União, André Mendonça, é o novo ministro da Justiça. A nomeação de Mendonça foi assinada pelo presidente Jair Bolsonaropublicada nesta terça-feira, 28, no Diário Oficial da União. Bolsonaro bateu o martelo na tarde desta segunda, após se reunir com Mendonça e também com o ministro-chefe da Secretaria-Geral da Presidência, Jorge Oliveira, que até então vinha sendo considerado o candidato mais forte à vaga do ex-juiz Sérgio Moro.

Bolsonaro trabalhou com uma lista de nomes, de dentro e fora do governo, mas bateu o martelo na opção "da casa", ou seja, da própria equipe. Evangélico, Mendonça é considerado extremamente leal, mas não tão íntimo da família Bolsonaro. Além disso, tem mais trânsito fora do governo do que o presidente. Como advogado geral da União, ele conta, por exemplo,  com mais acesso a ministros do Supremo Tribunal Federal.

O Estado apurou que o mais cotado para substituir Mendonça na AGU era o atual procurador geral da Fazenda Nacional, José Levi Mello do Amaral Júnior, informação confirmada na publicação do Diário Oficial.

Entre os nomes de fora do governo que Bolsonaro chegou a sondar para o Ministério da Justiça estão juristas de grande relevância e notoriamente conservadores, como o ministro Ives Gandra Martins, do Tribunal Superior do Trabalho (TST), e o desembargador Thompson Flores, do Tribunal Regional Federal da 4ª Região. Thompson Flores condenou o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva à prisão no processo do triplex do Guarujá (SP), conduzido por Moro na primeira instância.

Eles, porém, eram opções colocadas por generais e assessores diretos do presidente, mas desde o início o próprio Bolsonaro preferia alguém como Mendonça e Oliveira, de dentro do governo e de sua estrita confiança. No final, prevaleceu o temor de que Oliveira sofresse muito mais resistência, já que seu pai trabalhou durante muitos anos com Bolsonaro e ele próprio foi assessor e padrinho de casamento do deputado Eduardo Bolsonaro, o filho 03 do presidente.

Foi por isso que Mendonça - cotado inicialmente para assumir a vaga do decano Celso de Mello, que se aposenta compulsoriamente do STF em novembro - passou a ser o candidato mais forte.

O presidente anunciou o nome do sucessor de Moro na Justiça e também confirmou o novo diretor-geral da Polícia Federal, Alexandre Ramagem, para assumir o lugar de Maurício Valeixo. O delegado foi demitido na semana passada, fato que provocou a queda de Moro e a nova crise política do governo.  O atual diretor-geral comandava a Agência Brasileira de Inteligência (Abin).

Apesar de Ramagem ser o preferido de Bolsonaro, antes da confirmação oficial no Diário, seus interlocutores alertaram que o presidente costuma ser imprevisível, mudando de opinião na última hora, sem comunicar aos próprios assessores.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.