DANIEL TEIXEIRA/ESTADÃO
DANIEL TEIXEIRA/ESTADÃO

Analistas veem tiros contra caravana de Lula como ameaça à democracia

Segundo eles, cenário para eleições de outubro é incerto e ninguém sai ganhando com o radicalismo

Caio Sartori, O Estado de S.Paulo

28 de março de 2018 | 11h10

Analistas ouvidos pelo Estado avaliam os tiros disparados contra a caravana do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, na noite desta terça-feira, como o momento mais agudo do radicalismo político no País. Para eles, o funcionamento da democracia está em risco neste ano eleitoral, com possibilidade de haver rupturas. O cenário para o pleito também fica ainda mais imprevisível do que já estava, dizem. 

“A polarização e o discurso do ‘nós contra eles’ são normais na democracia, que funciona na base de adversários. Isso não é o problema”, aponta o cientista político Claudio Couto, da FGV-SP. “O problema é quando temos extremismo, que supõe a eliminação do adversário. Nesse caso, não existe ‘nós contra eles’. Só existe o ‘nós’”

+++Delegado confirma que ônibus de caranava de Lula foi atingido por tiro

Para o professor, o suposto aval aos tiros dado por nomes fortes da política só reforça o perigo antidemocrático - ao jornal ‘Folha de S. Paulo’, o governador Geraldo Alckmin e o prefeito João Doria disseram que o PT colheu o que plantou. “Quando políticos do próprio establishment dão aval à bala dizendo que é uma resposta ao que o outro fala, isso é muito grave”, diz. “O PT polarizou com o discurso de ‘nós fizemos, eles não’, mas não pregou, por exemplo, a morte das elites, a eliminação dos adversários.”

Alckmin, segundo Couto, estaria atrás do eleitorado de Jair Bolsonaro, deputado que protagoniza a direita radical brasileira e aparece como líder das pesquisas de intenção de voto à Presidência num cenário sem Lula. O governador, pré-candidato ao Planalto pelo PSDB, poderia até herdar alguns votos do ex-capitão do Exército, assim como o PT pode lucrar politicamente em cima dos ataques. No entanto, o professor diz que a principal leitura da atual conjuntura aponta para um aumento da incerteza sobre o que vem por aí nos próximos meses.

Outro analista da FGV, o professor Marco Antônio Teixeira também acredita em possíveis rupturas democráticas caso o atentado não seja reprimido rapidamente. “Foi algo sem precedentes no período democrático”, diz. “O atentado não foi a um candidato, mas à própria democracia. Se não for reprimido, dá aval a outros casos.” Teixeira ficou surpreso com a declaração de Alckmin, que, apesar da tentativa de jogar com o eleitorado de Bolsonaro, pode perder votos do centro se radicalizar o discurso.

+++Presidenciáveis condenam ataques à caranava de Lula

Também na linha de que 2018 é uma incógnita, o cientista político Leonardo Avritzer, da UFMG, vê na falta de diálogo entre as forças políticas um dos grandes empecilhos para o fim do clima bélico. “Democracia funciona bem quando esquerda e direita não têm grandes diferenças entre si e conseguem conversar”, aponta o autor do livro ‘Impasses da Democracia no Brasil’.

Avritzer diz que a conjuntura de hoje, que vem desde 2014, pode ser comparada a períodos vivenciados pelo País em 1954, 1961 e 1964, que expuseram instituições frágeis. No entanto, ele acredita que hoje temos mais forças democráticas capazes de resolver a situação sem causar grandes rupturas.

Todos convergem quanto ao saldo de quem sairia ‘vencedor’ com esse tipo de ato: ninguém, dizem. “Todo mundo perde, a democracia perde”, aponta Marco Antônio Teixeira.

Alckmin. Depois da má repercussão da declaração dada na noite desta terça-feira, quando disse que o PT plantou o que colheu, o governador tucano usou o Twitter nesta manhã para repudiar os tiros e dizer que “toda forma de violência deve ser condenada”. Outros presidenciáveis também usaram as redes para criticar os atos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.