Gabriela Bilo/Estadão
Gabriela Bilo/Estadão

Análise: Três lições sobre a crise diplomática causada por Eduardo com a China

Em nossa filhocracia, existe uma confusão permanente entre o que é do governo e o que é do parlamento

Guilherme Casarões, O Estado de S.Paulo

20 de março de 2020 | 05h00

Poucas horas depois de duas importantes coletivas do governo sobre o novo coronavírus, Eduardo Bolsonaro achou que seria uma boa ideia começar uma crise diplomática com o governo chinês.

Afeito à verborragia virtual, o deputado comparou a resposta chinesa à tragédia de Chernobyl, na antiga União Soviética, e culpou o Partido Comunista Chinês pelo alastramento da doença.

Trata-se de versão mais branda de uma teoria conspiratória que há tempos circula na seita olavista e que se alastrou recentemente: a China teria fabricado o vírus para destruir e subjugar as economias ocidentais.

Contudo, uma vez difundida pelo filho predileto de Jair Bolsonaro e presidente da Comissão de Relações Exteriores da Câmara, a acusação assume contornos oficiais.

Não surpreende que a reação chinesa tenha sido rápida. No próprio Twitter, tanto Embaixada quanto embaixador da China em Brasília repreenderam duramente o deputado, acusando-o de reproduzir a cantilena trumpista.

De fato, Trump vem usando a expressão “vírus chinês” para insuflar o antagonismo contra a China em meio a uma guerra comercial e tecnológica.

Mas se, nos EUA, a cortina de fumaça tem funções geopolíticas, no caso brasileiro ela vem mascarar a incompetência do governo em lidar, de maneira responsável e coesa, com a crise de saúde pública que se avizinha.

O risco de um desentendimento maior com a China, nosso principal parceiro comercial, fez com que a bancada ruralista, o presidente da Câmara, Rodrigo Maia e até mesmo o vice-presidente Hamilton Mourão condenassem a fala do “zero-três”.

Contrariado, até o olavista Ernesto Araújo teve que se posicionar. Reiterou que Eduardo não fala em nome do governo e exigiu um pedido de desculpas do embaixador – que dificilmente acontecerá, pois não foi ele que começou a briga.

O episódio nos deixa três lições importantes. A primeira é que, em nossa filhocracia, existe uma confusão permanente entre o que é do governo e o que é do parlamento, estimulada pelo próprio presidente.

A segunda é que, a exemplo do que vimos nas rusgas com França e Alemanha, criar inimigos externos para desviar o foco de problemas domésticos é sempre um risco enorme, pois os desdobramentos são imprevisíveis.

Por fim, mas não menos importante, é hora de deixarmos os adultos governarem. Em se tratando de política externa, de preferência longe das redes sociais.

* cientista político e professor da FGV-EAESP

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.