Dida Sampaio/Estadão
Dida Sampaio/Estadão

Análise: Supremo deveria é enfrentar morosidade da Justiça

Toffoli não quer interpretar o princípio e a garantia da presunção de não culpabilidade, e inventa um escapismo

Wálter Fanganiello Maierovitch*, O Estado de S.Paulo

17 de outubro de 2019 | 06h00

Mais uma vez, o STF – que se apresenta como técnico-jurídico, mas é político como é a Corte suprema norte-americana que lhe serviu de modelo – vai se debruçar sobre a constitucionalidade de artigo da lei processual penal a impedir a execução de condenação não passada em julgado

No momento, a pergunta é: estaria o STF a apreciar a limitação da garantia constitucional da presunção de não culpabilidade se tivéssemos: processo criminal com prazo razoável de duração, menos instâncias, órgãos colegiados julgadores em primeiro grau, menor número de recursos e regimentos de tribunais sem tantos atalhos? Até um reprovado em exame da OAB responderia com um rotundo não.

O STF não irá enfrentar a verdadeira causa que é a morosidade da Justiça. Apenas irá interpretar uma garantia constitucional pétrea. Mas atenção para um novo contorcionismo jurídico que virá por proposta do presidente do STF, Dias Toffoli, que entende que a execução provisória só pode ocorrer após a confirmação da condenação pelo STJ. Toffoli não quer interpretar o princípio e a garantia da presunção de não culpabilidade. Inventa um escapismo.

*DESEMBARGADOR APOSENTADO, É PRESIDENTE DO INSTITUTO GIOVANNI FALCONI DE CIÊNCIAS CRIMINAIS

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.