Análise: No Senado, Sérgio Moro agiu como político

Ministro conseguiu diminuir a hostilidade do ambiente que o aguardava graças à estratégia que adotou

Marco Antonio Carvalho Teixeira*, O Estado de S.Paulo

20 de junho de 2019 | 05h00

O depoimento do ministro Sérgio Moro na CCJ do Senado representou sua primeira prova de fogo enquanto político. Ele ainda não havia passado, sem a autoridade da toga, por uma sabatina assistida por milhões de brasileiros e com a obrigação de prestar esclarecimentos públicos sobre fatos controversos.

Indagado por quase 9 horas acerca de gravações reveladas pelo site The Intercept Brasil, Moro conseguiu diminuir a hostilidade do ambiente que o aguardava graças à estratégia que adotou. Tentou normalizar o tom das conversas vazadas com Deltan Dallagnol, respondeu a perguntas sem esclarecer as respostas, desqualificou os conteúdos revelados sem mesmo negá-los na sua totalidade.

Conseguiu, assim, sair da audiência na CCJ da mesma forma que entrou: não ampliou seu desgaste público como esperado pela oposição, mas também não caiu nas graças dos senadores. Ao considerar os vazamentos uma ameaça à Lava Jato, Moro falou diretamente para um eleitorado que está mais preocupado com o resultado produzido pela operação do que com os procedimentos que estão sendo questionados. Ou seja, jogou para a plateia, o que o coloca em sintonia direta com o propósito do governo federal de transformar seus pleitos controversos em plebiscito público como forma de pressionar o sistema representativo.

Sérgio Moro, definitivamente, é um político e seu futuro, provavelmente sem o Supremo Tribunal Federal, será a disputa eleitoral. Se os fatos vindouros não forem suficientes para afastá-lo do governo, certamente terá como opção as eleições municipais de 2020, quem sabe para prefeito de Curitiba. Se sobreviver, fica credenciado para qualquer pleito em 2022: de deputado a presidente da República, sendo que a disputa por este último dependerá muito de Jair Bolsonaro desistir da reeleição.

*PROFESSOR DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA DA FGV-SP

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.