Reprodução
Reprodução

Análise: ‘Fábula’ de Bolsonaro com leões e hienas banaliza o absurdo

Perfil oficial no Twitter publica montagem com o presidente como rei da selva sendo atacado por hienas com nomes de STF, ONU e partidos

Carlos Melo *, O Estado de S.Paulo

29 de outubro de 2019 | 19h30

Do ‘golden shower’, mesmo antes, à fábula do leão e as hienas, neste menos de um ano de governo, episódios assim têm banalizado o absurdo; normalizado a agressão gratuita e o disparate. Não mais se pergunta “o quê” ocorreu – os acintes já compõem o cenário. Mas com qual objetivo eventos assim se repetem sem-cerimônia e “atrevimento”, para usar a expressão do decano.

Seria para retirar foco de fatos que constrangem a família Bolsonaro; desta vez, as novas revelações em torno de Fabrício Queiroz? Seria para minimizar a euforia dos adversários em razão da eleição argentina? Ou seria para forjar um clima de provocação e brutalidade, agitando as bases e precipitando-se a eventuais protestos, como os que têm brotado pelo mundo?

Estranho, porque a oposição nada fez; o Supremo muito menos. Ambos têm sido até camaradas.

Pode ser um pouco de tudo, além da simples e permanente disposição ao conflito, é claro. Quem se pinta para a guerra é incapaz de suportar qualquer fresta de paz. E também por estultice, mesmo – aprendemos que a ela o Criador não pôs limites. Nestes tempos, tudo pode ser.

Mais uma vez, o presidente busca fazer crer que bastam suas escusas; “publicar uma matéria que leva para esse lado das desculpas”, como disse, no exercício de seu inconfundível estilo. Mas, gestos assim não se diluem no vento: ou minam as instituições, deixando-as à mercê de aventureiros; ou esgarçam o tecido social; ou abalam a credibilidade da Presidência da República, que requer dar-se ao respeito. Não há desfecho bom quando o despropósito torna-se vulgar.

* CIENTISTA POLÍTICO, É PROFESSOR DO INSPER

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.