Análise: Comandantes terão dificuldade para manter programas

Dilma anuncia comandantes das Forças Armadas

Roberto Godoy, O Estado de S.Paulo

08 de janeiro de 2015 | 02h05

Os comandantes militares terão pouco tempo para comemorar a chegada ao topo da carreira: à espera dos generais há R$ 124 bilhões em expectativas, envolvendo os planos e os programas de reequipamento, modernização e qualificação das Forças Armadas. O problema está na dura batalha para obter do governo o provimento financeiro, superar contingenciamentos e fazer a gestão do caixa depois de sucessivos cortes - e vem mais um por aí. A maior parte do pacote é tópico da pauta de longo prazo, abrange datas projetadas além de 2030 - a renovação da frota de submarinos, seis deles movidos a energia nuclear, bate no remoto ano de 2047, segundo o plano da Marinha.

A primeira fase está em plena execução em Itaguaí, litoral sul do Rio - sai por 6,7 bilhões (R$ 21 bilhões). As entregas começam em 2017. Entretanto, há outras demandas imediatas. Será necessário manter o fluxo de recursos nos próximos quatro anos para a compra dos novos caças Gripen; do cargueiro misto de avião tanque da Embraer, o KC-390; dos blindados Guarani; do sistema Astros 2020, com seu míssil de alcance na faixa de 300 km; e da rede Sisfron, blindagem de 17 mil km de fronteira cujo primeiro módulo - 680 km, de olho nos limites com o Paraguai e a Bolívia - já está em teste.

Há mais: o SisGAAZ, sistema de gerenciamento marítimo de 4,5 milhões de km², deve ter as propostas das empresas entregues até o fim do mês.

Em ano de pouco dinheiro, a manutenção de todas as prioridades será difícil. Alguns programas não podem ser interrompidos, sob pena do custo crescente estourar o orçamento. Também precisam ser mantidas as operações de grande envergadura nos extremos do território nacional. A chefia das três Forças singulares dá brilho às quatro estrelas dos comandantes. O problema será arranjar tempo para dar polimento a elas.

Tudo o que sabemos sobre:
Forças ArmadasDilma Rousseff

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.