Análise: Ao divulgar vídeo, Bolsonaro põe à prova o sistema democrático que o elegeu

Ação é o estopim que opõe e exige da sociedade uma profunda reflexão e decisão entre Civilização ou Barbárie

Paulo Niccoli Ramirez*, O Estado de S.Paulo

27 de fevereiro de 2020 | 07h00

O presidente Jair Bolsonaro divulgou durante o carnaval um vídeo em que convoca para o dia 15 de março os seus simpatizantes a saírem às ruas em sua homenagem (o vídeo mostra Bolsonaro como um herói patriota) e contra o STF e o Congresso, duas das máximas instituições democráticas do país, consideradas deturpadas pela esquerda pelos grupos bolsonaristas.

Trata-se de um movimento muito arriscado, pois Bolsonaro põe à prova o sistema democrático que o elegeu, tentando atrair simpatizantes com perfil antidemocrático e antirrepublicano com a intenção de deslegitimar ou mesmo calar órgãos que ainda são capazes de barrar e se opor ao repertório de projetos, decisões e declarações polêmicas do governo. 

Entre as ações mais recentes podemos destacar a queda de braço com os governadores dos Estados, relativa à cobrança de impostos e reformas tributária e fiscal. Durante o ano de 2019 vimos a ofensiva promovida pelos ministros Damares Alves (Mulher, Família e Direitos Humanos), Ricardo Salles (Meio Ambiente) e Abraham Weintraub (Educação) contra a educação, os ambientalistas, os direitos dos indígenas, das mulheres, da população negra e LGBT. 

Na última semana, vimos o ministro do Gabinete de Segurança Institucional, general Heleno, flertar com o autoritarismo ao declarar a existência de chantagem dos congressistas para aprovar os projetos do Planalto; Paulo Guedes, ministro da Economia, entoou certo sarcasmo, o que para muitos foi lido como racismo, contra as empregadas domésticas que no passado conseguiam viajar à Disney.

Durante as eleições de 2018 não faltaram advertências de grupos progressistas ou defensores da democracia no Brasil sobre os riscos de se eleger Bolsonaro. Sua imagem foi associada ao autoritarismo e representava a possibilidade de perdas de direitos civis. Bolsonaro parece seguir esse script. 

Há mais de um ano, ao oferecer um verdadeiro cheque em branco ao candidato que se opusesse ao PT de Lula, tudo poderia se tornar possível, mesmo um Bolsonaro na presidência, incluindo a escalada de tensões contra as instituições democráticas brasileiras. O vídeo divulgado pelo presidente é o estopim que opõe e exige da sociedade uma profunda reflexão e decisão entre Civilização ou Barbárie. Em outros termos: Civilidade X Bolsonaro.

*  É professor da ESPM (26/02/20)

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.