AFP/ Miguel Schincariol
AFP/ Miguel Schincariol

ANÁLISE: Ao decidir não se entregar, Lula cria cena política

Advogados devem ter aconselhado a espontânea apresentação do ex-presidente, mas o prevaleceu o fervor da militância

Rodrigo Augusto Prando*, O Estado de S.Paulo

06 Abril 2018 | 20h46

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva não se apresentou à Justiça para iniciar sua pena de prisão, conforme havia indicado o juiz federal Sérgio Moro (o limite era às 17h desta sexta-feira, 6). Ele encontra-se, física e simbolicamente, encastelado na sede do Sindicato, em São Bernardo do Campo.

+ Prazo para Lula se entregar acabou; entenda o que pode acontecer agora

+ AO VIVO: PF diz que não cumprirá mandado de prisão nesta sexta

Provavelmente, os advogados devem ter aconselhado a espontânea apresentação de  Lula, todavia, o fervor da militância, clamando pela resistência, até o momento prevaleceu. A decisão é de não se entregar e, assim, criar uma cena política de sair conduzido pela Polícia Federal ladeado pelos milhares de militantes.

+ Prisão de Lula: tudo o que você precisa saber

+ Planalto quer saber como ficará segurança de Lula

Qualquer ação, doravante, pode tomar um ar de imprevisibilidade, visto que, sociologicamente, o Estado é o detentor do monopólio da violência e, por isso, pode fazer uso da força física para fazer cumprir a ordem de prisão. Não creio que as forças policiais optem por essa via assentada na legitimidade do Estado Democrático de Direito.

Há, no lulismo, uma radicalização do discurso. Contudo, na ação política, para além do discurso, há muito, Lula entendeu que, para ser eleito, deveria mudar sua imagem (recordemos o “lulinha paz e amor”). O enfrentamento concreto contra as instituições e as decisões judiciais pode lhe trazer mais prejuízos que dividendos,  sobretudo eleitorais.

O Estado e suas instituições não podem ser solapadas por indivíduos, partidos políticos ou grupos. Caso isso ocorra, o que está em jogo não é prisão de Lula, mas, essencialmente, a democracia, os valores republicanos e o respeito à igualdade perante a lei. Prevalecerá, ao que tudo indica,  uma solução negociada e não um confronto.

*Professor e pesquisador do Centro de Ciências Sociais e Aplicadas da Universidade Presbiteriana Mackenzie. Graduado em Ciências Sociais, mestre e doutor em Sociologia

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.