PAULO LIEBERT/AE
PAULO LIEBERT/AE

Análise: A desigualdade social no Brasil e o SUS

Não tem como viver sem que o Estado promova uma melhor distribuição da renda e ofereça a todos os cidadãos pelo menos um ponto de partida mais semelhante

Gonzalo Vecina Neto, O Estado de S.Paulo

05 de abril de 2020 | 12h04

Uma das consequências futuras desta pandemia será reconhecer que o Brasil não tem solução se continuar a ostentar essa vergonhosa desigualdade social. Não tem como viver sem que o Estado promova uma melhor distribuição da renda e ofereça a todos os cidadãos pelo menos um ponto de partida mais semelhante, como diz o professor Delfim Neto.

Os instrumentos para essa transformação estão nas mãos do Estado e dos governantes. Um desses instrumentos é a oferta de serviços de saúde melhores e de acesso universal. O SUS que agora está sendo reconhecido como um dos valores da sociedade brasileira é esse instrumento de diminuição da desigualdade – tomar conta da difícil situação da saúde publica no Brasil sendo que seus insucessos são gerados pela própria desigualdade social.

É pacifico que o SUS deve ser preservado – que seu sucesso no tratamento da Aids, seu plano de cobertura vacinal, o sistema de transplantes, sua Estratégia da Saúde da Família que entrega atenção básica aos brasileiros, o acesso a medicamentos para doenças raras e de alto custo, -presença em todo Brasil, são fundamentais para enfrentarmos o desastre da pandemia da covid-19. Países mais desenvolvidos não estão tendo o sucesso que estamos construindo.

Porem existem riscos no caminho. Pelo menos dois – um é representado pelo subfinanciamento. O governo federal vem ano apos ano retraindo sua participação no financiamento do SUS. Saiu de 52% em 2002 para 43% em 2019 e esse fato só não significou um desastre pior por que os outros entes federativos cobriram parte do rombo, mas a sociedade brasileira tem que acordar para esse desastre anunciado. O SUS não pode ser subfinanciado.

O outro risco é a visão pequena de nossos governantes. Não se entendem e oferecem formulações desastrosas em um momento no qual os brasileiros necessitam de lideres que conduzam a nação para um boa luta. A forma como o presidente e parte de seus ministros vem conduzindo esse governo é inaceitável. 

Vamos acordar, sociedade brasileira, e exigir um governo melhor.

*Docente da FSP/USP

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.