Análise: A campanha do Planalto e os limites da desonestidade

Análise: A campanha do Planalto e os limites da desonestidade

Peça ‘O Brasil não pode parar’ vende falsa ideia de que devemos voltar à realidade e coloca em igualdade de condições milhões de brasileiros num País assombrosamente desigual

Humberto Dantas*, O Estado de S.Paulo

27 de março de 2020 | 14h39

A Constituição Federal exige que a administração pública se comunique com a sociedade. Trata-se de um princípio que dentre outras características tem que zelar pela impessoalidade. Não existe, no entanto, nada que limite o caráter fantasioso de parte expressiva das peças publicitárias veiculada nas últimas décadas por diferentes governos. Isso arrefece, ou fere, o caráter educativo e informativo, aspectos adicionais dessa comunicação que por vezes são ignorados. Mas absurdo tem limite.

A campanha do Executivo federal intitulada #oBRasilnãopodeparar (O Brasil não pode parar), custeada sem licitação a um custo de quase R$ 5 milhões, é um esbulho intelectual composto por um simples conjunto de fotos e leitura de um texto. Seu conteúdo tem claro objetivo de transmitir uma mensagem positiva sobre a necessidade de a economia não ofertar sinais de desgaste. Impossível.

Entraremos numa recessão como grande parte do mundo, e isso não depende apenas de nosso modo de enfrentar a crise. Fosse diferente e o inimigo não se chamaria pandemia. Assim: o que existe de mais razoável é ter a coragem de seguir o que preconizam as autoridades mundiais de saúde, a despeito das flexibilizações recentes do ministro, da verborragia da família do Planalto e das previsões astrológicas da Virgínia.

A campanha coloca em igualdade de condições milhões de brasileiros num País assombrosamente desigual. A campanha sugere que o País parou, e isso é uma mentira. Tivesse parado, sequer algo desse tipo teria sido produzido e exibido. A campanha compara ocupações que efetivamente não podem parar, sobretudo no universo público, com profissionais que têm absolutas condições de atuarem de suas casas em total isolamento –  sem parar. A campanha vende a falsa recomendação de que devemos voltar à realidade. Afirma que filhos, pais, netos e avós estão no mesmo barco. Não estão. E deixa de considerar, contraditoriamente, que medidas econômicas para socorrer empresas e empregos estão sendo tomadas justamente para que PARTE do país possa PARAR.

* CIENTISTA POLÍTICO E HEAD DE EDUCAÇÃO DO CLP

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.