Analfabetismo atinge 2,5 vezes mais os negros

Os resultados definitivos do Censo 2000, divulgados nesta sexta-feira pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), mostram os desafios que a sociedade brasileira ainda tem pela frente. A pesquisa revela que a taxa de analfabetismo dos pretos ainda é duas vezes maior do que a dos brancos, semelhante ao que ocorria em 1991.Em educação e saúde, há problemas persistentes. A defasagem escolar atinge mais de 60% das crianças entre 10 e 14 anos, e a mortalidade infantil, apesar da queda de 37% na década, continua registrando índices africanos no Nordeste.Em 2000, 39,5 milhões de brasileiros recebiam no máximo R$ 300 por mês, enquanto 2,2 milhões tinham um ganho mensal acima de 20 salários mínimos. O Censo 2000, realizado em 5.507 municípios entre 1º de agosto e 30 de novembro de 2000, também traz cruzamentos inéditos sobre as características do brasileiro.Os dados finais confirmam a explosão dos evangélicos no País e a redução do número de católicos. E dão detalhes: eles mostram que os católicos estão concentrados nas cidades pequenas, enquanto os evangélicos crescem nos grandes centros. Os religiosos mais escolarizados são os espíritas, com 9,6 anos de estudo. Os evangélicos pentecostais têm os menores níveis de instrução, com apenas 5,3 anos.Nas famílias, ainda prevalece o modelo tradicional, formado por casal e filhos, mas houve queda da taxa de fecundidade e crescimento das famílias chefiadas por mulheres.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.