Anac quer verificar se jato foi vendido irregularmente

A Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) acionou a Polícia Federal para localizar o operador responsável pelo jatinho que levava o candidato à Presidência pelo PSB, Eduardo Campos, e sua equipe de campanha no dia do acidente. Segundo o órgão, o objetivo é verificar informações publicadas pela imprensa de que o avião, um Cessna Citation 560XL, foi vendido sem que a transação fosse comunicada às autoridades.

BRASÍLIA, O Estado de S.Paulo

16 de agosto de 2014 | 02h00

Segundo os registros da agência reguladora, a aeronave pertencia à Cessna Finance Export Corporation, mas era operada pelo grupo usineiro AF Andrade Empreendimentos e Participações, uma holding com sede na cidade de Ribeirão Preto, no interior paulista, que firmou um contrato de arrendamento com a proprietária.

A AF, contudo, teria repassado o avião a um novo operador, possivelmente a campanha de Eduardo Campos, devido a dificuldades financeiras.

"A Anac informa que solicitou apoio da Polícia Federal para localização do operador a fim de verificar informações veiculadas pela imprensa sobre eventual venda da aeronave, ainda não comunicada à agência", informou, em nota, a Anac.

Ontem, o Estado tentou, sem sucesso, contato com o grupo AF para checar informações sobre a eventual mudança de controle do jatinho.

Apurações. A Anac explicou que está contribuindo com o Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (Cenipa) e com a PF para as apurações das circunstâncias e das causas do acidente. "Todas as informações levantadas serão encaminhadas a esses órgãos para compor os processos de investigação", acrescentou. / F.F.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.