Tasso Marcelo/AE
Tasso Marcelo/AE

Ana de Hollanda minimiza turbulência na Cultura

Segundo a ministra, crise que atingiu sua pasta foi forjada 'por motivos que nada têm a ver com a questão cultural'

Roberta Pennafort, da Agência Estado,

18 de maio de 2011 | 14h11

Em visita ao Rio para o lançamento do Guia dos Museus Brasileiros, nesta quarta-feira, 18, a ministra da Cultura, Ana de Hollanda, demonstrou acreditar que a crise em sua pasta passou. "Não estou mais preocupada com essas questões de turbulência. A imprensa já entende que foram forjadas, por motivos que nada têm a ver com a questão cultural", afirmou.

Depois de visitar a exposição permanente do Museu Histórico Nacional, a Ana concedeu entrevista rápida, na qual disse também que goza de apoio entre os artistas. Nesse momento, um assessor avisou que os jornalistas só teriam direito a cinco minutos com a ministra. Quando veio uma pergunta sobre as polêmicas diárias recebidas em viagens ao Rio, ele a puxou para o auditório onde ela falaria sobre o guia e a 9ª Semana Nacional dos Museus.

No governo desde a gestão Gilberto Gil (2003-2008), o presidente do Instituto Brasileiro de Museus, José do Nascimento Junior, que a ciceroneava, fez defesa contundente da chefe. "O ministério não é um samba de uma nota só. Estamos trabalhando. O clima é tranquilo", disse, lembrando que a gestão de Gil também atravessou momentos complicados: "Primeiro foi a discussão da contrapartida social, depois a da Ancinav... No fim, ninguém dizia que não tinha sido um grande ministro. Acho que tem que se quebrar pedra no início", brincou.

Do auditório, a ministra saiu sem passar novamente pelos jornalistas. O assessor não soube informar se o valor das diárias já havia sido devolvido, conforme recomendou a Controladoria-Geral da União. No início do mês, reportagem do Estado mostrou que Ana de Hollanda recebeu do governo diárias em fins de semana sem compromissos oficiais no Rio de Janeiro, cidade onde tem imóvel próprio. Desde então, a ministra vinha sendo pressionada a deixar o cargo, mas a presidente Dilma Rousseff decidiu mantê-la no posto e organizou uma força-tarefa para fortalecê-la.

No início da noite, Ana voltou a Brasília, onde participa do lançamento do cronograma das chamadas Praças dos Esportes e da Cultura (praças do PAC). Nesta quinta-feira, 19, a ministra deverá retornar ao Rio, para mais um encontro que busca ampliar o diálogo com a classe artística - dessa vez, com artistas visuais.

Texto alterado às 18h18 para acréscimo de informações

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.