Amorim prepara encontro entre Lula e Bush

Para preparar o encontro do presidente Luiz Inácio Lula da Silva com o presidente dos Estados Unidos, George W. Bush, marcado para o dia 20, em Washington, o ministro das Relações Exteriores, Celso Amorim, deverá se reunir amanhã, em Santiago, no Chile, com o secretário de Estado americano, Colin Powell. Eles estão na capital chilena para a 33ª Assembléia-Geral da Organização dos Estados Americanos (OEA), iniciada hoje. Amorim deve aproveitar a viagem para encontrar-se também com o chanceler do Canadá, Bill Graham, e com seus colegas dos países do Mercosul e da Comunidade Andina.O chanceler chegou hoje a Santiago, após uma semana em que a diplomacia brasileira deu um passo importante rumo à integração com outros países do mundo em desenvolvimento. Na sexta-feira, em Brasília, Amorim iniciou o diálogo com seus colegas da Índia e da África do Sul para a criação do Grupo dos Três (G-3), iniciativa com o objetivo de estreitar a cooperação trilateral e unificar posições em organismos internacionais.O governo brasileiro tem reiterado, no entanto, que essa aproximação com Índia e África do Sul, seguida da perspectiva de que Rússia e China venham a engrossar o grupo, não significa nenhuma oposição aos Estados Unidos e sua hegemonia planetária.DivergênciaA reunião entre Amorim e Powell ocorrerá de manhã, nas dependências do Hotel Sheraton, onde se realiza a assembléia. Os dois deverão conversar de forma ampla sobre o encontro de Lula com Bush, uma vez que os detalhes da agenda dos dois presidentes já estão sendo definidos pela diplomacia de ambos os países.É provável também que Amorim e Powell conversem sobre a criação da Área de Livre Comércio das Américas (Alca), ponto de divergência pública entre Brasil e EUA. Mas, pelo menos nesse aspecto, o encontro não deverá resultar em nenhuma novidade, uma vez que as posições de ambos os países sobre o tema são amplamente conhecidas e foram discutidas na última visita ao Brasil do representante dos Estados Unidos para o Comércio, Robert Zoellick, no mês passado.O governo brasileiro quer que a abertura comercial da Alca se estenda aos produtos agrícolas, item da pauta de exportação em que o País tem condições de disputar larga fatia do mercado norte-americano. A Casa Branca, porém, prefere negociar as questões agrícolas no âmbito da Organização Mundial de Comércio (OMC).Em seus três dias, a 33ª Assembléia-Geral da OEA, que termina terça-feira, vai abordar como tema central a governabilidade democrática nas Américas. Entre os assuntos em discussão estão os direitos humanos, combate às drogas, terrorismo, crime organizado, degradação ambiental, fortalecimento das instituições democráticas e a segurança hemisférica.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.