AE
AE

Amorim não vê eleições como empecilho à visita de Obama

Ministro diz que 'não será dificuldade' visita do presidente americano em época próxima ao processo eleitoral

Efe,

16 de fevereiro de 2010 | 15h44

O ministro das Relações Exteriores, Celso Amorim, afirmou nesta terça-feira, 16, que o presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, está convidado a visitar o Brasil e que a proximidade das eleições, marcadas para outubro, não representa uma dificuldade a isso.

Veja também:

linkPara ajudar Dilma, ministros aceleram convênios e obras  

link'El País': Com Serra ou Dilma, 'Lula vencerá' eleições de 2010

 

Em entrevista à Agência Efe em Madri, Amorim disse que o Itamaraty não está trabalhando com uma data concreta para a visita de Obama, que, como lembrou, mostrou várias vezes interesse em viajar ao Brasil. "Se levadas em conta as afinidades que existem entre Lula e Obama em muitos sentidos, seria normal que viesse", afirmou o ministro, que lembrou que o ex-presidente americano George W. Bush esteve duas vezes no Brasil.

 

"Ele está convidado e será bem-vindo", acrescentou Amorim. Segundo ele, ainda não se trabalha com uma data e o fato de o país estar próximo de um processo eleitoral "não será uma dificuldade" e Obama "será muito bem recebido".

 

Sobre o fato de Obama ainda não ter visitado o Brasil, Amorim disse entender e explicou que o presidente americano tem uma agenda muito disputada.

 

No campo comercial bilateral, o chanceler afirmou que não vê uma grande insatisfação do Brasil, embora tenha frisado que "alguns setores econômicos podem pensar que uma relação mais intensa seria possível". "Estamos trabalhando em um acordo marco, similar a outro que temos com a Suíça e outros países, que não é um Tratado de Livre Comércio", explicou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.