Amorim: Comissão da Verdade demonstra maturidade

Segundo o ministro da Defesa, os cidadãos brasileiros 'têm de estar aptos a saber a verdade sobre sua história'

Lisandra Paraguassu, de O Estado de S.Paulo

18 de novembro de 2011 | 13h40

O ministro da Defesa, Celso Amorim, afirmou nesta sexta-feira, 18, que a criação da Comissão da Verdade representa "um momento de reencontro da sociedade consigo mesma". Segundo ele, os cidadãos brasileiros "têm de estar aptos a saber a verdade sobre sua história". Para o ministro, a chegada deste momento, o de criação da Comissão, "demonstra grande maturidade e que a sociedade está capaz de olhar para sua história".

As declarações foram feitas logo após o encerramento da cerimônia no Palácio do Planalto na qual a presidente Dilma Rousseff sancionou a lei de acesso a informações públicas e a lei que cria a Comissão da Verdade. "Contribuirá para um amadurecimento ainda maior, porque só a verdade permite uma amadurecimento pleno", reforçou Amorim.

Questionado se apresentaria sugestões de nomes para a Comissão, o ministro da Defesa disse que não encaminhará propostas. "A presidente conhece bem (o assunto), ela sabe quem deve indicar. Se ela me pedir uma sugestão e me ocorrer um nome, eu darei, mas isso não aconteceu", explicou. A Comissão da Verdade foi criada para investigar, em dois anos, violações de direitos humanos ocorridas entre 1946 e 1988. A Comissão será composta por sete membros, nomeados pela Presidência da República.

Tudo o que sabemos sobre:
AmorimComissão da Verdade

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.