Amizade com Lula impulsionou Meneguelli

Ex-integrante do Sindicato dos Metalúrgicos de São Bernardo ganha R$ 24 mil comandando Sesi

O Estadao de S.Paulo

05 de abril de 2008 | 00h00

Desde que assumiu o Palácio do Planalto, em 2003, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva montou uma força-tarefa de ex-sindicalistas de sua extrema confiança e os colocou em cargos estratégicos do governo, com altos salários, à frente de postos estratégicos para o País.Boa parte desse núcleo de confiança do presidente é formada por companheiros de sindicalismo que freqüentaram as portas de fábricas, levando a bandeira do Sindicato dos Metalúrgicos de São Bernardo, nas décadas de 70 e 80, e fundaram o PT e a Central Única dos Trabalhadores (CUT). Nos postos oferecidos por Lula, os ex-sindicalistas recebem remuneração média de R$ 7 mil. Representando fundos de pensão em empresas privadas, porém, alguns chegam a ganhar jetons de até R$ 20 mil. Os amigos foram inseridos na máquina e em postos anexos.COMPANHEIROO companheiro Jair Antônio Meneguelli é um bom exemplo de aliado que não foi esquecido. Dois meses depois de assumir o governo, em 2003, Lula o nomeou para comandar o Conselho Nacional do Serviço Social da Indústria (Sesi), entidade ligada ao mais alto escalão do empresariado brasileiro, com um salário de R$ 24 mil. O regimento da instituição determina que o presidente faça a nomeação.Até hoje Meneguelli não deixou o posto. Funcionário da Ford, em São Bernardo, ele se filiou ao sindicato em 1977, movido não pela causa operária, mas pelo desconto dado aos sindicalizados no supletivo da época - o "madureza". Três anos depois, ele ajudava a criar o Partido dos Trabalhadores, já como amigo de Lula, que acabou indicando-o para ocupar a presidência do sindicato, em 1981. Em 1983, Meneguelli tornou-se o primeiro presidente da maior central sindical do País, a CUT, posto que ocupou por 11 anos. Em 1993, foi eleito deputado e reeleito em 1997. Em 2000, sofreu sua primeira derrota eleitoral, quando concorreu à Prefeitura de São Caetano do Sul contra Luiz Tortorello (PTB). Em 2002, tentou a reeleição como deputado, mas ficou apenas com a vaga de suplente.Quando assumiu o Sesi, em 2003, abriu mão em definitivo da cadeira que poderia vir a ocupar na Câmara dos Deputados por causa do apoio de seus 72.168 eleitores. No comando Sesi, decidiu mudar a sede do Setor Comercial Sul para o imponente prédio da Confederação Nacional do Comércio, no Setor Bancário Norte. Na semana passada, a reportagem tentou falar com Meneguelli, mas a assessoria informou que ele tinha a agenda carregada.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.