Amigos se despedem de ex-primeira-dama com música e palmas

FHC esteve muito emocionado durante toda a cerimônia, que contou com a presença de políticos e intelectuais

Roberto Almeida, de O Estado de S. Paulo,

26 de junho de 2008 | 10h41

A antropóloga e ex-primeira-dama Ruth Cardoso foi enterrada às 10h40 desta quinta-feira, 26, no cemitério da Consolação, região central de São Paulo. O cortejo saiu às 10 horas da Sala São Paulo, onde o corpo foi velado. O ex-presidente Fernando Henrique Cardoso esteve muito emocionado durante toda a cerimônia. O senador Eduardo Suplicy fez uma homenagem especial à ex-primeira-dama: "É um exemplo para o Brasil", disse. A fala foi seguida de uma salva de palmas. O enterro foi realizado ao som das cornetas do Regimento da Cavalaria Nove de Julho.   Logo após o sepultamento, Fernando Henrique Cardoso deixou um cesto de rosas brancas sob o túmulo e abraçou os filhos e os netos, muito emocionado. Em seguida, recebeu as condolências do governador de São Paulo, José Serra, que permaneceu ao seu lado durante todo o enterro. Estiveram presentes o senador Artur Virgílio (PSDB-AM), o pré-candidato à prefeitura de São Paulo Geraldo Alckmin, o prefeito de São Paulo, Gilberto Kassab, e colegas de Ruth.   O caixão estava envolto pelas bandeiras do Brasil e de Araraquara, sua cidade natal, que está sob luto oficial de três dias, assim como o Brasil, o Estado de São Paulo e a capital.   Veja também: Imagens do velório Ruth Cardoso foi bem mais que a mulher de um presidente, diz 'El País' Muito emocionado, FHC recebe cumprimentos de amigos Especial: cronologia da antropóloga Ruth Cardoso  Antropóloga, Ruth Cardoso era intelectual reconhecida 'Ruth Cardoso deu novo sentido ao papel de primeira-dama' Ruth foi mais que uma primeira-dama, dizem políticos Serra e Alckmin lamentam morte de Ruth Cardoso Lula diz que morte de Ruth 'é uma grande perda' para o Brasil Galeria de fotos da trajetória de Ruth Cardoso    O velório de Ruth Cardoso teve início na manhã de quarta-feira e ficou aberto ao público até as 21 horas. Nesta quinta, o corpo continuou a ser velado em uma sessão fechada a parentes e amigos próximos.   Ruth Cardoso morreu na última terça-feira à noite, aos 77 anos, em casa, no bairro de Higienópolis, em São Paulo. Ela sofria de arritmia grave decorrente de doença coronariana e desmaiou quando conversava com o filho Paulo Henrique. Na véspera ela passara por um cateterismo.   O velório da antropóloga se transformou numa demonstração de ecumenismo político e acadêmico, cuja culminância foi a chegada do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que visivelmente emocionado foi à Sala São Paulo acompanhado de sua mulher, Marisa Letícia, e de um grupo de ministros.   Estiveram no velório a ministra da Casa Civil, Dilma Rousseff - cuja presença provocou muitas expressões de discreto desagrado de tucanos que enchiam o saguão -, e os ministros Nelson Jobim (Defesa), Miguel Jorge (Desenvolvimento), Fernando Haddad (Educação), Hélio Costa (Comunicações), Edison Lobão (Minas e Energia) e Orlando Silva (Esportes), além do senador Aloizio Mercadante (SP).   (com Anne Warth, da Agência Estado)

Tudo o que sabemos sobre:
Ruth CardosoFHCenterro

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.