Amigos, políticos e populares apoiam família de Campos

Paulo Roberto Barbalho chegou à rua Luiz da Mota Silveira, onde mora a família de Eduardo Campos, no bairro de Dois Irmãos, na zona norte do Recife, dirigindo uma moto com uma caixa de som acoplada. Silenciosamente, colocou para tocar o frevo-canção "Madeira do Rosarinho", de autoria de José Lourenço Barbosa, o Capiba. A música, que tem como refrão o verso "nós somos madeira de lei que o cupim não roi" é uma espécie de hino não oficial de Pernambuco que ficou vinculada às campanhas eleitorais de Campos, e traduz uma de suas características, a disposição para enfrentar adversidades e desafios.

ANGELA LACERDA, Estadão Conteúdo

14 de agosto de 2014 | 13h01

Depois de tocar a música, que era a preferida do escritor e dramaturgo paraibano Ariano Suassuna, amigo, correligionário e conselheiro de Campos que morreu no último dia 23, Barbalho pegou o microfone para falar da "dor de Pernambuco" com a morte inesperada do seu líder político. "É a minha homenagem a um grande lutador".

Durante a manhã, dezenas de amigos, correligionários e familiares visitaram a família. A viúva, Renata Campos, permanece na residência, ao lado dos cinco filhos desde ontem (13). Ela não falou com a imprensa e todos os que a foram ver, atestam sua serenidade em meio á grande dor. Ela se mantém amamentando o filho caçula, Miguel, de sete meses e, segundo o procurador-geral do Estado, Aguinaldo Fenelon, pouco fala. "Nós nos abraçamos e nada dissemos", contou. "É nos seus olhos onde se pode ver a imensa dor que Renata está sentindo".

Motorista

Ex-motorista do ex-governador Miguel Arraes (PSB), que morreu há nove anos, no mesmo dia da morte do neto, 13 de agosto, Everaldo Procópio, 61, estava inconsolável. "Perdí o meu amigo, perdí um cabra que me adotou como filho, a quem devo tudo que tenho", disse ele, que conheceu Campos no final década de 1980, quando Arraes voltou do exílio na Argélia.

Ex-policial militar, ele se tornou amigo da família de Campos que, à frente do governo estadual, no primeiro mandato, em 2007, fez dele seu assessor na Casa Militar.

Secretário estadual da Infância e da Juventude, muito ligado ao ex-governador Miguel Arraes e a Campos, Pedro Eurico, destacou que Eduardo era uma pessoa "iluminada", que tinha grande coragem e destemor e sabia, ao mesmo tempo, construir amizades, mesmo em se tratando de adversários mais radicais. "Ele era protagonista de um novo momento, de um futuro brilhante no País".

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.