Americanos prometem passeata antiguerra em Porto Alegre

A delegação dos Estados Unidos quer se valer da presença de cerca de 100 mil pessoas no Fórum Social Mundial de Porto Alegre (RS), a partir de amanhã, para organizar uma grande passeata na cidade contra o eventual ataque norte-americano ao Iraque. Segundo os organizadores do Fórum, a delegação dos Estados Unidos deve ser a segunda maior a participar do evento este ano, ficando atrás apenas da do Brasil. Em relação ao ano passado, o número de norte-americanos deverá dobrar, já que em 2002 cerca de 500 estiveram presentes.Muitos dos norte-americanos vêm de organizações de bases comunitárias, incluindo 100 pessoas da delegação de justiça global de base, a linha de frente de ativistas da comunidade do projeto "Novas vozes da Globalização" e representantes do movimento pacifista dos Estados Unidos.O Fórum Social Mundial este ano está em sua terceira edição. Todas foram realizadas em Porto Alegre. O evento foi concebido como uma resposta popular ao Fórum Econômico Mundial, que acontece anualmente em Davos, na Suíça.A exemplo das duas edições anteriores, o FSM 2003 também será marcado pelo protesto contra o evento de Davos, que reúne historicamente líderes políticos e executivos de vários países. Mas o evento deste ano também é responsável pelo aumento da participação dos ativistas norte-americanos, em razão do recente envio de tropas para o Golfo, e a especulação de que, em 27 de janeiro, o relato dos inspetores de armas das Nações Unidas poderia desencadear um ataque ao Iraque pelo Governo Americano.Neste ano, pela primeira vez, a área temática "Ordem Mundial Democrática, Combate à Militarização e Promoção da Paz", será o eixo principal de discussão, planejamento e atividade do Fórum.Veja o especial sobre os Fóruns de Davos e Porto Alegre

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.