Americano aprova cota para negros em universidades brasileiras

O presidente da Fundação Parlamentares Negros do Congresso Americano deputado democrata Willian Jefferson aprovou o sistema de cotas para negros implantado pela Universidade Estadual da Bahia (Uneb). A partir do próximo vestibular, no final do ano, a Uneb reservou 40% das vagas para afrodescendentes. Segundo Jefferson, que visitou a reitora da universidade baiana, Ivete Sacramento, ontem, nos Estados Unidos existe um sistema semelhante criado para, igualmente ao sistema da Uneb, tentar remediar décadas de discriminação racial naquela país. "As universidades americanas estudam as populações locais e estipulam cotas que podem ser de 10%, 20%, 30% a depender da número e situação sócioeconômica da população em questão", comentou. Para ele, a educação de qualidade para todos certamente permitirá o crescimento da economia brasileira "com muito mais criatividade e produtividade".Nos últimos trinta anos, as políticas de cotas nas escolas americanas fizeram com que o número de alunos no curso secundário se tornasse equilibrada etnicamente. Esse fenômeno ainda não chegou ao Curso Superior, pois um numero bem maior de brancos consegue entrar na universidade, mas a distância tem diminuído muito nos últimos anos, segundo o parlamentar americano.A reitora Ivete Sacramento considerou o apoio de Jefferson importante devido à resistência de alguns segmentos baianos à implantação do sistema de cotas na Uneb. "Isso nos traz mais segurança", comentou. O deputado também participou de eventos promovidos pelo Movimento Negro Unificado no centro histórico de Salvador.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.