Amcham diz que reforma tributária é insuficiente

A Câmara Americana de Comércio (Amcham) divulgou documento em que avalia a proposta de reforma tributária encaminhada pelo governo do presidente Luiz Inácio Lula da Silva ao Congresso como "tecnicamente insuficiente para melhorar a estrutura do sistema tributário brasileiro como um todo". A entidade apoiará, no entanto, a aprovação da proposta no Congresso por admitir que no momento essa é "a reforma possível", por ter o apoio dos 27 governadores do País e do Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social (CDES). "A aprovação da proposta deverá favorecer o ambiente econômico e a governabilidade do País, beneficiando o investimento e o comércio como um todo", avalia o documento.Dirigentes da Amcham estiveram ontem em Brasília com o presidente da Câmara, deputado João Paulo Cunha (PT-SP), e com o relator da comissão especial de reforma tributária, deputado Virgílio Guimarães (PT-MG). "Discutimos abertamente esses temas que precisam ser ajustados e que serão objeto de debate na comissão especial. Recebemos incentivo direto para voltarmos a Brasília, ofertarmos emendas por meio de um parlamentar e estarmos presentes durante os debates na comissão especial", disse o presidente do grupo de trabalho sobre reforma tributária da Amcham, Roberto Pasqualin.Defensores abertos da criação da Área de Livre Comércio das Américas (Alca), os dirigentes da Amcham entendem que a proposta de reforma apresentada pelo governo e seu principal ponto, a federalização da legislação do ICMS, abre espaço para que se possa avançar a integração comercial do Continente. "O conselho de administração da Amcham estabeleceu, no ano passado, a Alca como prioridade e, para ser debatida e implementada, o Brasil precisa passar pelas reformas estruturais", comentou a diretora executiva da Amcham, Solange Mata Machado, ao reforçar que a entidade é independente e sem ligações com os governos do Brasil e dos Estados Unidos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.