AMB pede audiência com Cardozo para tratar de investigações sobre empreiteiras

Associação de juízes demonstrou preocupação com eventual 'pressão política' na Lava Jato e pediu varredura na gestão das empresas na mira da Justiça

CARLA ARAÚJO, O Estado de S. Paulo

19 Fevereiro 2015 | 17h54

São Paulo - A Associação dos Magistrados Brasileiros (AMB) informou nesta quinta-feira, 19, que encaminhou na quarta, 18, um pedido de audiência ao ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, para propor uma varredura na gestão das empreiteiras citadas na Operação Lava Jato. De acordo com o presidente da AMB, João Ricardo Costa, há uma preocupação "com a pressão política que parece se intensificar sobre as investigações da Operação Lava Jato", afirmou, em nota.

"O Judiciário precisa conduzir esse processo e avançar com independência no combate à corrupção e à impunidade. A Operação Lava Jato trouxe fortes indícios de que muitas dessas empreiteiras que estão sendo investigadas atuam como verdadeiras organizações criminosas cartelizadas que estão saqueando os cofres públicos há anos. É necessário que o Executivo promova uma investigação profunda, além das denúncias da Petrobrás", defendeu o magistrado.

Na avaliação da AMB, o fato de advogados de defesa dos acusados na Operação Lava Jato terem solicitado ou participado de audiência com os ministros faz parte da democracia. "É fundamental para a democracia que os advogados atuem na amplitude das suas prerrogativas, de forma incondicional". Costa pondera que "estas mesmas garantias devem ser exercidas dentro de um conceito radicalmente republicano". "Neste caso específico, a conduta dos advogados induz em uma atuação voltada para pressionar o uso do poder político sobre o Judiciário", afirma.

O presidente da AMB diz ainda que para cada decisão da Justiça, há "infindáveis recursos" e que não se pode aceitar pressões políticas em julgamentos. "O que não podemos admitir é a tentativa de pressionar o Poder Judiciário e os juízes que atuam no processo, muito menos qualquer conduta que tente desqualificar o magistrado que preside as investigações em questão", alerta Costa. Segundo a AMB, a expectativa é que o ministro receba a representantes da entidade na próxima semana, em Brasília.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.