Amazônia tem a menor taxa de desmatamento desde 88

O desmatamento na região amazônica atingiu sua menor taxa na história desde o início do monitoramento na área, em 1988, informaram hoje os ministros Aloizio Mercadante (Ciência, Tecnologia e Inovação) e Izabella Teixeira (Meio ambiente). No período compreendido entre agosto de 2010 e julho de 2011, foram desmatados 6.238 quilômetros quadrados, um número 11% inferior à da medição divulgada no ano passado.

MARTA SALOMON E RAFAEL MORAES MOURA, Agência Estado

05 de dezembro de 2011 | 18h28

Da área desmatada, 2.870 quilômetros quadrados estão no Pará, 1.126 quilômetros quadrados em Mato Grosso, 869 quilômetros quadrados em Rondônia, 526 quilômetros quadrados no Amazonas, 365 quilômetros quadrados no Maranhão, 271 quilômetros quadrados no Acre, 120 quilômetros quadrados em Roraima, 51 quilômetros quadrados no Amapá e 40 quilômetros quadrados no Tocantins. Em Rondônia, o desmatamento aumentou 100%, enquanto em Mato Grosso o acréscimo foi de 20%. Nos demais Estados, houve queda.

"É a menor taxa de desmatamento da história, desde que começou esse monitoramento. É uma taxa histórica e representativa, sinalizando que continuamos com a nossa determinação de reduzir o desmatamento na Amazônia. Ainda apresentamos resultados extremamente sensíveis em alguns Estados. O fato de Rondônia apresentar 100% de aumento é algo que precisa ser esclarecido", disse Izabella.

Segundo a ministra, o governo federal já vem dando atenção especial ao caso de Rondônia, com os resultados dos meses de agosto, setembro e outubro já sinalizando uma redução do desmatamento. Izabella disse estar "particularmente feliz" com os resultados e defendeu medidas de redução de desmatamento aliadas a estratégias de sustentabilidade e inclusão social na região. Segundo o ministro Mercadante, o governo está investindo R$ 1 bilhão em satélites que vão aperfeiçoar o monitoramento das florestas.

Tudo o que sabemos sobre:
ambientedesmatamento

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.