Amadeo diz que sai do governo sem divergências

O economista Edward Amadeo, que está deixando o governo, onde ocupa atualmente o cargo de secretário de Política Econômica, assegurou que sai sem divergências. "Nunca encontrei um ambiente de trabalho tão benigno quanto o da equipe econômica", disse. Segundo Amadeo, sua saída foi motivada pela distância da família, que ficou no Rio enquanto ele passou três anos e meio trabalhando em Brasília. "Tenho um filho de sete meses e outro com sete anos que eu gostaria de acompanhar de perto a alfabetização", explicou. Ele disse ter decidido ficar de quatro a seis meses em regime de quarentena voluntária até decidir seu futuro profissional. "Vou voltar a dar aulas na PUC do Rio", afirmou. Amadeo ressaltou que, se sua avaliação fosse apenas profissional, ele continuaria no governo. "Sob esse ponto de vista, deixo uma missão inacabada, mas saio feliz por acreditar que, de alguma forma, contribuí para discussão econômica", afirmou. Ele participa do Seminário Internacional sobre Núcleo de Inflação, que é realizado no Banco Central.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.