Diego Zanchetta/AE
Diego Zanchetta/AE

Alvo de denúncias, secretário diz que eleições tem 'requintes de selvageria'

Eduardo Jorge, cotado para ser vice de Serra, é alvo de denúncias de corrupção no caso Shopping Higienópolis

Diego Zanchetta, de O Estado de S.Paulo

22 de junho de 2012 | 16h41

Eduardo Jorge, de 62 anos, secretário municipal de Meio Ambiente, está no auditório externo da Câmara Municipal de São Paulo há quase oito horas, desde às 8h46 desta sexta-feira, 22. Alvo de denúncias de corrupção na emissão de licença para o Shopping Higienópolis, Jorge diz ser vítima de calúnia e de "requintes de selvageria da batalha política" das eleições municipais de 2012 - ele é cotado para ser vice na chapa de José Serra (PSDB) e atualmente está em licença do cargo de secretário.

"A luta política tem esses requintes de selvageria. Se for comprovado o que estão me dizendo (acusações para tentar derrubar seu nome como vice na chapa tucana), isso é muito grave. Eu não reivindico esse cargo de vice. Isso é uma selvageria por um cargo político", argumentou Jorge, que diz estar em "vigília" no Legislativo para dar explicações a quem quiser.

O vereador Gilberto Natalini (PV) está ao lado do secretário e diz que a primeira hipótese para as denúncias é a motivação política. "Tem muita gente que sabe que o PV tem um candidato a vice que é o preferido do Serra, então sempre existe gente disposta ao jogo rasteiro", disse o vereador.

Jorge teve o nome envolvido no escândalo sobre a emissão de licenças na Prefeitura por uma testemunha ouvida pelo Ministério Público - uma ex-diretora da Brookfield Gestão de Empreendimentos (BGE) afirmou que o shopping gastou R$ 4 milhões em propinas, pagas para diversos órgãos públicos durante sua construção. O empreendimento custou R$ 200 milhões. Segundo ela, só Aref recebeu R$ 1 milhão. Além dele, o ex-secretário do Verde e do Meio Ambiente Eduardo Jorge teria recebido R$ 200 mil de propina.

Jorge disse que apenas assinou o termo de autorização para o shopping como fez para outros centenas de empreendimentos. Ele diz confiar na sua equipe de técnicos. "Desde 2005 foram centenas, milhares de empreendimentos aprovados pela secretaria, e nunca houve nenhum problema. Eu estou à disposição da polícia, dos meios de comunicação, da Corregedoria do Município e de qualquer cidadão que quiser esclarecimentos."

Silêncio. O secretário do Verde recebeu solidariedade do colega titular da pasta da Habitação, Ricardo Dias Pereira Leite. "Quero prestar meu total apoio ao secretário Eduardo Jorge", afirmou Leite, que era chefe do ex-diretor Aref Hussein Saab, pivô do escândalo da emissão de licenças para empreendimentos ilegais.

Leite, porém, não quis falar sobre o caso. Há dois meses o secretário se nega a dar entrevistas sobre o caso que envolve sua pasta. "Estou aqui só para convidar o secretário Eduardo Jorge para almoçar", respondeu o secretário.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.