Alvo de crise na segurança, Colombo é criticado por mudar página no Facebook

Diversos usuários da rede social reclamaram por terem aparecido como 'curtidores' da fanpage, sem que tivessem efetivamente realizado a ação

14 de fevereiro de 2013 | 16h59

Texto atualizado às 13h38 do dia 15/02/2013

FLORIANÓPOLIS - Em meio ao período mais difícil de seus dois anos à frente do governo de Santa Catarina, por conta principalmente da onda de ataques do crime organizado, Raimundo Colombo (PSD) recebeu nesta quinta-feira, 15, críticas pela sua estratégia de atuação no Facebook. Diversos usuários da rede social reclamaram por terem aparecido como "curtidores" da fanpage pessoal do governador, sem que tivessem efetivamente realizado tal ação. "Abri o meu Face pela manhã e lá estava o governador sorrindo entre as páginas que eu realmente havia curtido, como as das minhas bandas prediletas. Fiquei revoltada e me senti vulnerável, mesmo porque jamais apoiaria dessa forma um governador que está deixando tanto a desejar", diz a cantora Cláudia Barbosa, 44 anos. "Ele simplesmente apareceu, sem que eu tivesse feito qualquer coisa para que isso acontecesse", descreve a artista plástica Sônia Ribeiro, 46 anos.

Procurada pela reportagem, a Secretaria de Comunicação do Governo de Santa Catarina informou que cuida apenas das páginas oficiais, enquanto as pessoais do governador são administradas por uma equipe externa. O consultor Rodrigo Abela, responsável pelo trabalho, diz que o episódio está relacionado à conversão da conta pessoal do governador em uma página de "figura pública". "Estamos apenas seguindo as recomendações do próprio Facebook, que aconselha essa mudança para perfis que se tornaram muito populares, pois, com a conversão, o número máximo de conexões deixa de ser 5 mil e se torna ilimitado", descreve Abela.

Muitos usuários ficaram surpresos, no entanto, com a mudança automática e não autorizada, ainda que esteja mesmo prevista nas regras do Facebook. A jornalista freelancer Fabiana de Liz, 38 anos, só se deu conta de que a página do governador aparecia entre as "curtidas" ao ser alertada pela reportagem. "Eu havia me tornado amiga do perfil pessoal dele por interesse profissional, para acompanhar sua vida política. Mas aparecer publicamente como alguém que curtiu a fanpage é bem diferente. É algo para quem é entusiasta do plano de governo ou filiado ao mesmo partido, e não me enquadro em nenhum desses casos", diz.

Resta ainda uma questão nesse imbróglio digital: muitos dos usuários que tiveram seu nome associado ao do governador asseguram que não tinham qualquer relação anterior com ele na rede social. A assessoria de comunicação do Facebook no Brasil informou que a empresa não comenta casos específicos. "Essa é uma importante ferramenta de trabalho para mim e me preocupo com os detalhes. Não sou uma usuária descuidada, sei exatamente o que eu faço e tenho certeza de que nunca pedi ou autorizei amizade com o governador", diz Cláudia. "O máximo que tenho são alguns amigos que são amigos dele, mas eu, pessoalmente, não era", garante Sônia.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.