Dida Sampaio/Estadão
Dida Sampaio/Estadão

Alvo da Lava Jato, ministro do Turismo é sondado por Temer sobre permanência no cargo

Segundo interlocutores, em conversa com presidente em exercício e ministro da Casa Civil, Henrique Eduardo Alves minimizou citações feitas contra ele nas investigações e ressaltou que não era réu e por isso gostaria de ficar na pasta

Erich Decat, O Estado de S.Paulo

24 de maio de 2016 | 15h27

BRASÍLIA - Com receio da ampliação dos desgastes para o governo, o presidente em exercício, Michel Temer, e o ministro da Casa Civil, Eliseu Padilha, sondaram o ministro Henrique Eduardo Alves (Turismo) sobre a possibilidade de ele deixar o cargo, em razão de possíveis desdobramentos da Operação Lava Jato.

Segundo interlocutores, a conversa teria ocorreu na segunda-feira, 23, mesmo dia em que o então ministro do Planejamento, Romero Jucá, foi afastado do cargo após o surgimento de gravações realizadas pelo ex-presidente da Transpetro, Sérgio Machado. No áudio, revelado pelo jornal Folha de S. Paulo, Jucá diz ao ex-dirigente que é preciso "mudar o governo (Dilma Rousseff) para poder estancar essa sangria", numa referência às investigações da Lava Jato.

Ao ser abordado por Temer e Padilha, Henrique Alves minimizou as citações feitas contra ele nas investigações e ressaltou que não era réu e por isso gostaria de ficar no cargo. O ministro, que ocupou a mesma cadeira no governo Dilma, teve a casa vasculhada pela Polícia Federal em dezembro do ano passado em uma das fases da Lava Jato, batizada de Catilinárias.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.