ANDRE DUSEK/ESTADÃO
ANDRE DUSEK/ESTADÃO

Álvaro Dias oferece vaga de vice ao PRB

Pré-candidato à Presidência pelo Podemos, senador costura aliança para a disputa

Igor Gadelha e Julia Lindner, O Estado de S.Paulo

01 Março 2018 | 05h00

BRASÍLIA - Integrante da base aliada do presidente Michel Temer, o PRB negocia apoio à candidatura do senador Álvaro Dias (Podemos-PR) à Presidência. Para atrair a aliança, o partido de Dias ofereceu ao PRB o direito de indicar o candidato a vice na chapa.

A coligação, se confirmada, trará mais tempo de TV para o presidenciável, que, embora em um partido menor, tem apresentado melhor desempenho nas pesquisas de intenção de voto do que outros nomes cotados para a disputa, como o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM), e o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles (PSD). No melhor dos cenários, Dias aparece em 5.º lugar, com 5% das intenções de voto, segundo o mais recente levantamento do Datafolha, divulgado em 31 de janeiro.

A aliança também aproximará Dias dos evangélicos, segmento que representa 22,2% da população brasileira, segundo o censo do IBGE de 2010. O PRB é próximo da Igreja Universal do Reino de Deus, que tem o quarto maior número de fiéis no Brasil, com 1,8 milhão de membros. Integrantes da cúpula da igreja comandam o partido – o presidente da sigla, o ex-ministro Marcos Pereira, por exemplo, é bispo licenciado. Além disso, a Universal é dona da TV Record e de várias afiliadas da emissora nos Estados.

+++Fux pede mais tempo para TSE enviar informações ao Supremo sobre voto impresso

A aliança, no entanto, pode levar o PRB a perder o comando do Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços, que ocupa desde o início do governo Temer. Isso porque, como mostrou o Estadão/Broadcast, o presidente definiu que os partidos só poderão indicar substitutos de ministros que sairão em março para disputar as eleições caso apoiem o projeto eleitoral do Palácio do Planalto. Por Dias atuar como oposição, um apoio à candidatura dele nunca foi considerado por Temer.

Aval. A negociação para o PRB apoiar o senador está sendo feita por Pereira com a presidente do Podemos, a deputada federal Renata Abreu (Podemos-SP). Com aval de Pereira, o marqueteiro Ricardo Bergamo, que trabalha para o PRB, já atua na pré-campanha de Dias.

+++Brasil combate notícias falsas antes das eleições

O próprio presidenciável também já se reuniu com o presidente do PRB para tratar do assunto e está entusiasmado com a possível aliança. De acordo com integrantes da cúpula do Podemos, na última conversa que os dois tiveram, ficou definido que Pereira iria consultar lideranças da legenda antes de tomar uma decisão final. O senador e o dirigente marcaram de se reunir nas próximas semanas e acertaram fazer um anúncio conjunto da aliança, caso ela seja firmada.

“Estamos ainda conversando, mas não há ainda uma definição da coligação, até em respeito ao PRB temos que agir com a necessária prudência, porque, se eventualmente essa coligação for definida, faremos um anúncio conjunto”, afirmou Dias ao Estadão/Broadcast. O senador paranaense disse, porém, que ainda não há negociação sobre a vaga de candidato a vice-presidente, embora integrantes da direção do Podemos confirmem a oferta ao PRB.

+++Bolsonaro articula apoio na Câmara contra isolamento

Tempo de TV. Além de pontuar mais do que adversários de partidos maiores nas pesquisas, dirigentes da sigla citam o índice de rejeição de Dias para apontar potencial de crescimento da candidatura. Segundo o Datafolha, ele é rejeitado por 13% dos entrevistados, a mais baixa entre os atuais pré-candidatos. Nesse cenário, o Podemos avalia que seu presidenciável precisa de mais tempo de TV para se tornar conhecido e se tornar mais competitivo na disputa.

Sozinho, o Podemos tem 12 segundos na propaganda, enquanto o PRB traz cerca de 27 segundos.

O presidente do PRB admite a negociação com o Podemos, mas disse que ainda não fechou acordo. "Estamos conversando. Ainda muito incipiente e inicial as conversas", disse Pereira. A legenda também tem mantido conversas com outros dois presidenciáveis: o governador Geraldo Alckmin (PSDB), e o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ). No PRB, a avaliação é de que Dias precisa mostrar que é politicamente viável.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.