Álvaro Dias nega acusação de ter vazado dossiê tucano

Senador do PSDB diz que quem vazou o documento 'está no Palácio do Planalto', que deve buscar um culpado

Cida Fontes, de O Estado de S.Paulo

02 de abril de 2008 | 18h13

O senador Álvaro Dias (PSDB-PR) fez nesta quarta-feira, 2, um pronunciamento na tribunal do Senado para negar acusação contida em nota do blog do jornalista Ricardo Noblat, que o responsabiliza pelo vazamento do dossiê  com informações sobre gastos do governo Fernando Henrique Cardoso com o cartão corporativo. "Quem vazou está no Palácio do Planalto. Não me cabe revelar quem foi o responsável pela divulgação. O que me cabe é cobrar do governo providências em relação a mais este escândalo", disse. E completou: "seria impossível que eu pudesse estar urdindo nas barbas do presidente Lula um dossiê. Que busque um responsável por isso."   Veja também: PSDB apresenta recurso para convocar Dilma ao Senado Governo usa 'rolo compressor' e oposição ameaça com nova CPI CPI rejeita pedido para governo divulgar dados sigilosos PSDB quer apurar vazamento de dossiê no governo Gastos com cartões já somam R$ 9 milhões em 2008 CPI pede lista dos titulares que sacaram dinheiro com cartão CPI terá dados que complicam ministros de Lula e FHC Documento do TCU não sustenta versão sobre 'banco de dados' CPI dos cartões: quem ganha e quem perde?  Entenda a crise dos cartões corporativos    Álvaro Dias contou que antes da divulgação do dossiê pela revista Veja tinha afirmado em plenário que tinha visto o dossiê, que tinha deixado de ser novidade há tempos. Fez questão de citar a frase da ministra da Casa Civil, Dilma Rousseff, no início de fevereiro, logo após a demissão da então ministra da Igualdade Racial, Matilde Ribeiro - "Não vamos apanhar quietos". Conforme seu relato, a partir daí, começou-se a elaborar um documento com os gastos do governo Fernando Henrique.   Disse também que em fevereiro, várias notas em jornais e blogs já mencionavam a existência do dossiê. "Não admito que o governo venha me questionar sobre o vazamento das informações", afirmou.   Como reação ao pronunciamento de Alvaro Dias, o líder do governo no Senado, Romero Jucá (PMDB-RR), disse que o Palácio do Planalto está sendo vítima de espionagem.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.