Alvaro Dias crê em entendimento com o DEM 'antes de quarta-feira'

Escolha do senador para a vice de Serra gerou críticas de líderes aliados

André Mascarenhas, do estadão.com.br / SÃO PAULO

28 de junho de 2010 | 19h08

Anunciado na última sexta-feira, 25, como candidato a vice-presidente na chapa do tucano José Serra, o senador Alvaro Dias (PSDB-PR) procurou demonstrar otimismo nas negociações com o DEM, o principal partido aliado do PSDB nas eleições presidenciais. O nome do senador paranaense não agradou lideranças do DEM, que contavam com a indicação de um quadro do partido à vice de Serra.

 

PDT adia decisão sobre alianças no Paraná

 

Em entrevista à radio CBN de Curitiba, Dias disse ser legitima a reivindicação dos aliados, mas defendeu a decisão do PSDB em anunciar seu nome. "É democrático, é legítimo e é justo que os democratas postulem a vice. Até porque já a ocuparam - duas vezes com o Fernando Henrique e uma vez com Geraldo Alckmin", lembrou o senador. Ele destacou, entretanto, que sua escolha como vice de Serra foi uma decisão consensual no partido. "Trata-se de uma decisão amadurecida, houve uma consulta nacional através de pesquisa", disse.

 

"Mas é certo que existem ponderações de lado a lado, essas ponderações estão sendo avaliadas e, certamente, nós teremos um entendimento com o DEM rapidamente. Antes de quarta-feira, provavelmente, isto estará resolvido", completou.

 

Alvaro Dias defendeu ainda a importância do Paraná no quadro eleitoral nacional. "O Paraná tem peso, é um estado importante, tem mais de 7,5 milhões de eleitores. Pode ser decisivo na eleição", argumentou. "O Paraná, unido, certamente fará a diferença", acrescentou.

 

Questionado sobre as negociações com seu irmão, o também senador Osmar Dias (PDT-PR), Alvaro Dias garantiu que haverá entendimento. "Obviamente todos sabem das minhas relações fraternais, além de sangue, das minhas relações políticas com o Osmar. Nós dois sempre estivemos juntos, embora em partidos diferentes", disse. "Obviamente é isso que se calcula. Que estaremos juntos novamente. E como o projeto nacional é prioritário, certamente o Osmar estará conosco."

 

A definição do palanque paranaense será decidida na quarta-feira, último dia do prazo para a oficialização das alianças perante à Justiça Eleitoral. Cotado para ser candidato a governador do Paraná em uma chapa apoiada pelo PT, Osmar Dias fica em posição desconfortável diante da escolha de Alvaro Dias para a vice de Serra.

 

Pesquisa é 'fato'

 

Alvaro Dias classificou ainda a última pesquisa CNI/Ibope, que deu vantagem à petista Dilma Rousseff, como "um fato" consumado. "Eu não sou daqueles que detonam as pesquisas desfavoráveis. Acho que temos que aprender com as pesquisas de opinião pública sempre, e respeitá-las", disse. "Agora, o fato mais importante é que temos tempo, que tudo está por ser feito, que a campanha não começou e que temos o melhor candidato", completou.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.