Alunos acampam na Unifesp e exigem saída do vice-reitor

Estudantes querem eleição direta paritária após a renúncia de Ulysses Fagundes Neto na última segunda

Bianca Pinto Lima, do estadao.com.br,

26 de agosto de 2008 | 09h31

Estudantes da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp) estão acampados em frente ao prédio da instituição, na Vila Clementino, desde a noite de segunda-feira, 25, para exigir eleição direta paritária para reitor. Acusado na crise dos cartões corporativos, Ulysses Fagundes Neto pediu demissão do cargo nesta segunda. De acordo com o coordenador-geral do diretório da universidade, Tiago Cherbo, os alunos exigem agora a saída do vice-reitor, Sérgio Tufic, que já assumia interinamente a reitoria desde as férias de Fagundes Neto, no início de agosto.   Veja Também: Entenda a crise dos cartões corporativos    Segundo Cherbo, os alunos ainda não entraram em negociação com a universidade. "Esse é o momento de pressionar. Depois tentaremos o diálogo", afirmou. Segundo o membro do diretório, os estudantes não reconhecem Tufic como "uma liderança que pode articular as forças nesse momento de crise" e acreditam que ele também tenha realizado gastos abusivos por meio dos cartões corporativos.   Uma assembléia-geral será organizada na quarta ou quinta-feira para discutir os rumos do movimento. Segundo Cherbo, os alunos do campus Guarulhos também aderiram à paralisação e o diretório está negociando o apoio dos estudantes de Santos e São José dos Campos.   Segundo o Ministério da Educação, a Unifesp tem o prazo de 60 dias para realizar o processo de escolha do novo reitor. Procurada, a assessoria da universidade não quis se manifestar.   Na época das denúncias, estudantes pediram a renúncia de Fagundes Neto e chegaram a invadir a reitoria da universidade. Em entrevista coletiva, o ex-reitor disse não ter abusado do cartão corporativo por má-fé, mas por falta de orientação.   Demissão   A assessoria de Neto disse ao estadao.com.br que, devido ao envolvimento de seu nome nas investigações, o ex-reitor "achou melhor se afastar para se dedicar à sua defesa". Matéria do jornal O Globo em abril mostrou que, em um ano e meio o reitor gastou quase R$ 80 mil em compras de cosméticos, material esportivo, aluguel de carro e diárias em hotéis, um deles na Disney, em Orlando (EUA).   Acusado de hospedar-se num hotel da Disney e pagar a conta com o cartão, o reitor apresentou documentos mostrando que o motivo da viagem a Orlando, nos Estados Unidos, de 17 a 22 de outubro de 2006, não foi lazer nem férias. Ele instalou-se como hóspede no Lake Buena Vista, um dos estabelecimentos do complexo Disney, porque foi lá o 19º Encontro Anual da Sociedade Norte-Americana de Gastroenterologia Pediátrica, do qual o reitor, que é médico desta especialidade, participou como palestrante, autorizado pelo ministério.   Em abril, ele já devolveu R$ 85,5 mil à administração federal. A primeira vez que Fagundes Neto usou o cartão corporativo foi em junho de 2006, na Alemanha. Empenhado em trazer para o Brasil o 3º Congresso Mundial de Gastroenterologia Pediátrica, Hepatologia e Nutrição, o reitor não só apresentou um trabalho científico no 2º congresso, em Grenden, como se reuniu com colegas da Federação Internacional das Sociedades de Gastroenterologia Pediátrica, Hepatologia e Nutrição (FISPGHAN), que o ajudam a organizar o evento seguinte no Brasil.   O reitor foi convocado a depor na CPI Mista dos Cartões Corporativos, mas adiou depoimento alegando compromissos agendados antes de ter sido convocado.   Vice-campeão   Em matéria do Estado de abril, Ulysses aparece como vice-campeão de gastos com o cartão nos fins de semana, ficando atrás apenas da ex-ministra Matilde Ribeiro. Levantamento do deputado Carlos Sampaio (PSDB-SP), sub-relator de Sistematização da CPI dos Cartões mista, aponta pagamentos com cartão do governo de R$ 51.269,04, somente aos sábados e domingos, entre julho de 2006 e janeiro deste ano. Em seguida vem o reitor da Universidade Federal de São Paulo, Ulisses Fagundes Neto, que gastou com cartão corporativo, apenas nos fins de semana entre junho de 2006 e janeiro de 2008, R$ 37.282,90.

Tudo o que sabemos sobre:
Unifespcartões corporativosreitor

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.