Alta nos preços de alimentos dá impulso à reforma

A liderança do MST acredita que o debate nacional sobre a reforma agrária ganhará novo fôlego com a crise mundial causada pela falta de alimentos. "A corrida pelo preço dos alimentos, que a classe média já está sentindo no bolso, vai deixar cada vez mais evidente que o País deve abandonar o modelo da monocultura, que é insustentável, e avançar para uma política clara de produção de alimentos", diz José Batista de Oliveira, da coordenação nacional do movimento."Há um processo de diálogo com o governo Lula, para que o crédito destinado à produção de alimentos seja mais adequado, para que aumente a área de assentamentos de famílias", continua o representante da organização. "Não é mais possível beneficiar só os grandes produtores, que controlam as grandes áreas."Na opinião dos dirigentes da organização, com a crise da falta de alimentos, o Bolsa-Família corre o risco de virar uma contradição: as pessoas pobres teriam dinheiro, mas faltariam alimentos para comprar.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.