Aloysio quer "tomar o chimarrão da paz" com o STJ

O ministro da Justiça, Aloysio Nunes Ferreira, pretende tomar o "chimarrão da paz" com o presidente do Superior Tribunal de Justiça (STJ), o gaúcho Paulo Costa Leite, para por um ponto final na crise política entre os poderes Executivo e Judiciário. Costa Leite defendeu que autoridades sejam punidas com inelegibilidade por descuprirem ordens judiciais. A declaração foi feita depois que o ministro da Educação, Paulo Renato Souza, anunciou que não pagaria o salário de professores grevistas, apesar de decisão do STJ, que determinava o pagamento.Seguindo orientação do presidente Fernando Henrique Cardoso, Nunes Ferreira defendeu que a discussão sobre o repasse da verba para o pagamento de docentes grevistas fique restrita ao Judiciário. "Se há questões colocadas em juízo, em juízo elas devem ser resolvidas. Deve haver um esforço grande para distensionar o ambiente". O ministro deve reunir-se com Costa Leite assim que o presidente do STJ retornar de uma viagem a Rondônia.A "deixa" para o ministro falar sobre a crise entre o Judiciário e o Executivo foi dada pelo presidente do Tribunal de Justiça Federal do Rio, Arnaldo Esteves Lima. Durante discurso de inauguração da Central de Penas e Medidas Alternativas, Lima disse que os poderes são "independentes, porém harmônicos". Nunes Ferreira concordou: "Temos que ser realmente harmônicos, porque temos coisas importantes a fazer juntos".Apesar da determinação do presidente Fernando Henrique de tirar a questão do pagamento de professores da "polêmica pública", Nunes Ferreira defendeu a posição do ministro da Educação. "O ministro Paulo Renato e o governo como um todo lutam com seus meios para não permitir que a greve se eternize, nem se transforme em férias remuneradas, como querem algumas associações representativas de professores universitários", afirmou. O ministro da Justiça defendeu ainda que greves do serviço público tenham "limitações, restrições". "Ela (a greve) não se faz contra um patrão individual, mas contra o público".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.