André Dusek/Estadão
André Dusek/Estadão

Aloysio Nunes é cotado para substituir Serra no Itamaraty

O presidente do PSDB, senador Aécio Neves (MG), vai se reunir nesta quinta-feira, 23, com o chanceler demissionário para consultá-lo sobre indicações para o cargo, que, na avaliação de auxiliares de Temer, vai continuar com o partido

Pedro Venceslau, O Estado de S.Paulo

22 de fevereiro de 2017 | 23h30

SÃO PAULO - O presidente do PSDB, senador Aécio Neves (MG), vai se reunir nesta quinta-feira, 23, com José Serra (PSDB-SP), em Brasília, para discutir a sucessão no Ministério das Relações Exteriores. Aécio vai consultar Serra sobre indicações para o cargo de chanceler. Um dos cotados para substituir Serra é o senador Aloysio Nunes (PSDB-SP), líder do governo no Senado.

Nesta quarta-feira, 22, o senador licenciado pediu demissão do Itamaraty e deixou o governo Michel Temer. Ele estava na gestão do peemedebista desde o dia 12 de maio, quando Dilma Rousseff foi afastada durante o processo de impeachment, que levou à sua cassação.

Na avaliação de tucanos e de auxiliares de Temer, o Palácio do Planalto vai manter o ministério com o PSDB e, assim, evitar especulações no PMDB em busca de mais espaço no governo. Com a eventual nomeação de Aloysio Nunes, Temer poderia ampliar o espaço do PMDB no Congresso Nacional, ao entregar a um correligionário a função de líder de governo, atualmente ocupada pelo senador tucano.

Além de Aloysio Nunes, o senador José Aníbal (PSDB-SP), suplente de Serra no Senado, também é cotado. O PSDB e o governo ainda devem sondar quadros ligados a Serra e com experiência em relações exteriores, como Rubens Barbosa, ex-embaixador do Brasil em Londres e Washington, e Sérgio Amaral, atual embaixador do Brasil em Washington.

Nesta quarta-feira, Aécio teve uma reunião não programada com Temer, na qual a sucessão já teria sido abordada.

Cirurgia. A decisão de Serra de deixar o governo não pegou de surpresa seus aliados mais próximos e amigos. Há pelo menos 20 dias, ele vinha se queixando da rotina do Itamaraty e do desconforto físico decorrente da cirurgia que fez na coluna. O tucano chegou a falar sobre sua saída com Temer no começo deste mês, mas foi convencido a ficar. Serra, segundo relatos de pessoas próximas, também estaria “deprimido” e “irritado” com o envolvimento de seu nome na Operação Lava Jato.

Serra seguirá em tratamento por quatro meses, após esse período volta ao cargo de senador.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.