Aloysio garante boa votação em SP, diz Agripino Maia

O presidente nacional do DEM, senador Agripino Maia (RN), afirmou nesta segunda-feira, 30, que a escolha do senador Aloysio Nunes (PSDB-SP) para a disputar a vice na chapa presidencial de Aécio Neves (PSDB) "passa pela perspectiva" de uma boa votação em São Paulo.

ERICH DECAT, Agência Estado

30 Junho 2014 | 17h05

Nas últimas eleições de 2010, Aloysio Nunes recebeu 11,1 milhões de votos na disputa por uma vaga ao Senado, no Estado que é o maior colégio eleitoral do País. "Acho que São Paulo tem 32 milhões de eleitores, a escolha é uma peça importante. Acho que o nome de Aloysio é acima de qualquer suspeita. É um homem de grandes qualidades, teve 11 milhões de votos. Ele por si só é uma garantia de perspectiva de bom resultado no Estado de São Paulo", afirmou Agripino Maia ao chegar à convenção do DEM, em Brasília.

Para o dirigente, prevaleceu na escolha de Aloysio a "perceptiva de vitória" nas próximas eleições presidenciais. "Acho que o Aécio tem que ter liberdade de escolher o seu companheiro de chapa em função da perspectiva de vitória. Acho que montagem da chapa é produto de qualidade de candidato e de necessidade de somar para ganhar", afirmou.

Apesar de a chapa presidencial não contar com um representante do Nordeste, onde o PT tem dominado nos últimos anos, Agripino Maia avalia numa queda na intenção de votos da presidente Dilma Rousseff na região. "Não sei o tamanho da queda, mas haverá uma queda substantiva as pesquisas estão mostrando", disse.

Agripino Maia também rebateu a análise de que a ausência do DEM na chapa presidencial também representasse uma hegemonia do PSDB nos Estados. "Nunca o Democratas chegou a uma pré-eleição tão bem posto, com as alianças mais convenientes para ele. Tudo de comum acordo com o candidato à presidência", ressaltou.

No encontro de hoje, o partido irá formalizar apoio à campanha presidencial do PSDB que também contará com a adesão do Solidariedade, PTB, PCT, PTN, PMN e PTdoB.

Mais conteúdo sobre:
eleições PSDB Aloysio Nunes

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.