Dida Sampaio / Estadão
Dida Sampaio / Estadão

Aloysio e Anastasia defendem candidatura de Alckmin ao Planalto

Elogios surgem no momento em que Maia e Meirelles expõem pretensões eleitorais

Igor Gadelha, O Estado de S.Paulo

09 Janeiro 2018 | 14h23

BRASÍLIA - Os tucanos Aloysio Nunes, ministro das Relações Exteriores, e Antonio Anastasia (MG), senador, defenderam nesta terça-feira, 9, a candidatura do governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, à Presidência da República. Os elogios foram feitos em meio às movimentações do ministro da Fazenda, Henrique Meirelles (PSD), e do presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), para se viabilizarem como o candidato de centro da base aliada ao Palácio do Planalto. Em recente entrevista ao Estado, o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso afirmou que o governador ainda precisa provar ser capaz de aglutinar o centro do espectro político e de “transmitir uma mensagem” aos brasileiros para se viabilizar como candidato do PSDB e de seus aliados ao Palácio do Planalto neste ano.

+++ Maia trabalha para minar candidatura de Meirelles

"Entre todos os aspirantes declarados, insinuados ou pressentidos a representar o centro reformista na eleição, Alckmin é o que tem maior densidade eleitoral", escreveu Aloysio. "Além dos seus atributos pessoais de serenidade, traquejo administrativo e experiência política que poucos têm, há o enorme eleitorado de São Paulo, onde Alckmin tem muito boa avaliação", escreveu Nunes em sua conta oficial no Twitter.

+++ Estratégia de Maia pelo Planalto é aumentar visibilidade com viagens pelo País

Segundo o ministro, o governador de São Paulo também tem "terreno fértil" a trabalhar em outros Estados onde "historicamente o PSDB tem tido bom desempenho". "Tudo isso nos faz crer que não há a menor hipótese da candidatura de Alckmin, no desenrolar da campanha, ficar patinando nesse ponto de partida inicial que, aliás, é muito maior do que os que aspiram a ocupar o lugar dele no universo eleitoral", declarou. "Alckmin é nome certo no segundo turno".

+++ Para FHC, Alckmin precisa provar que pode unir centro

+++ Em nota, FHC tenta acalmar ânimos no PSDB

A análise feita pelo ministro das Relações Exteriores foi compartilhada por Anastasia, que é um dos tucanos mais próximos do senador mineiro Aécio Neves (MG), que foi candidato do PSDB à Presidência nas eleições de 2014. "Perfeita análise, caro Aloysio Nunes. Aos poucos, e o tempo mostrará isso, o nome do Alckmin vai crescer e reverberar por todo País", escreveu Anastasia.

Com discurso reformista, Rodrigo Maia (DEM-RJ), presidente da Câmara, Henrique Meirelles, ministro da Fazenda, e Alckmin disputam nos bastidores para ser o candidato de centro-direita à Presidência. Os três buscam apoio da maioria dos partidos da atual base governista do presidente Michel Temer, que defende uma candidatura única ao Planalto entre os aliados para defender o legado de seu governo, sobretudo na área econômica.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.