Aloysio cobra contribuição de inativos

O ministro-chefe da Secretaria Geral da Presidência, Aloysio Nunes Ferreira, criticou a "absurda inércia e insensibilidade" do Congresso Nacional em relação à importância da aprovação da emenda constitucional que estabelece a contribuição previdenciária dos inativos. Segundo o ministro, o governo tem consciência da dificuldade de aprovação da proposta no Congresso, mas continuará tentando mobilizar os parlamentares para a aprovação. "Nós já perdemos quatro vezes e quando ganhamos, o Supremo derrubou", desabafou. "Mais esforço do que o governo vem fazendo, impossível". O ministro justificou a decisão da equipe econômica de anunciar nova investida para a aprovação da taxação dos inativos como "uma tentativa" de sensibilizar os congressistas". "É uma coisa que a gente tem que ficar tentando; quem sabe um dia os parlamentares entendem", ironizou. "Mas não é preciso mandar nada (ao Congresso), (a emenda) já está lá." Nunes Ferreira comentou ainda que a perspectiva de arrecadação com a cobrança previdenciária dos inativos representa um ganho muito grande para o governo. "É duas vezes o orçamento da Educação, cinco vezes o do Fundo da Pobreza, 50 vezes o do Fundo Previdenciário", enumerou. "Não queremos tirar a aposentadoria de ninguém; só queremos que contribuam um pouco".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.