Dida Sampaio/AE
Dida Sampaio/AE

ALN ganhou dólares e deu rolex a Kim Il-sung

Dirigente da Ação Libertadora Nacional, Ricardo Zarattini, quis enviar ao país brasileiros que estavam em Cuba

Marcelo Godoy, O Estado de S. Paulo

12 de setembro de 2009 | 23h19

O regime comunista de Pyongyang mantinha contatos com a direção da Ação Libertadora Nacional (ALN), a quem enviou maletas com dólares e ainda aceitou acolher 14 militantes da organização para treinamento. As relações da direção da ALN - o maior grupo da guerrilha urbana no País - com a Coreia do Norte foram importantes.

 

Veja também:

Coreia do Norte treinou guerrilha brasileira

 

Prova disso é o depoimento do então militante Aloysio Nunes Ferreira Filho no documentário Tempo de Resistência. Aloysio acompanhara em 1969 o líder da ALN Joaquim Câmara Ferreira até a embaixada coreana em Paris. Na saída, os dois tomaram conhecimento da morte de Carlos Marighella, fundador da organização - Ferreira então voltou ao Brasil e assumiu o comando da ALN até ser morto pela polícia, em 1970.

 

Quem primeiro revelou as remessas de dinheiro para a ALN no Brasil foi um dos comandantes militares da organização, o escritor Carlos Eugênio Sarmento Coelho da Paz, o Clemente. Ele conta que uma das remessas chegou à ALN em São Paulo em 1971. O dinheiro, cerca de US$ 50 mil, serviu para manter os planos de se criar uma área estratégica de guerrilha rural no País.

 

"A Coreia ficava longe e não tinha pretensões de interferir na política interna da organização. Não tínhamos lá 20, 30 ou 40 militantes como tínhamos em Cuba", disse Clemente. Ele havia revelado o recebimento do dinheiro coreano em seu livro Nas Trilhas da ALN. Uma vez, seu grupo, depois de "expropriar uma joalheria em São Paulo" resolveu mandar as joias para o exterior.

 

"A organização não tinha relação com contrabandistas ou receptadores. Não tínhamos o que fazer com as joias e mandamos tudo para o exterior. Mas o Iuri (Iuri Xavier Pereira, morto em 1972 pelo DOI do 2º Exército) resolveu retribuir as maletinhas e mandou um rolex de ouro para o marechal Kim Il-sung (pai do atual secretário-geral do PC do país, Kim Jong-Il)."

 

Em Cuba, outro dirigente da ALN, Ricardo Zarattini, tentou convencer integrantes da organização que treinavam na ilha para que eles fossem à Coreia e ao Vietnã - 14 iriam para o primeiro e dez ao segundo. Era uma forma de impedi-los de voltar ao Brasil, onde podiam ser presos e mortos. "Eu e o Rolando Frati procuramos os embaixadores." Mas os jovens resistiram ao plano.

 

Mesmo assim, a Coreia manteve o convite a Zarattini. Ele esteve em um congresso em Pyongyang. "Tinha de fazer um discurso e eles (os coreanos) queriam que eu botasse uma saudação (a Kim Il-sung) ‘estimado e querido e estimado líder de 40 milhões de coreanos’ e uma porrada de elogio, e eu não queria escrever aquilo. Em uma semana que fiquei lá, foram quatro dias só em torno dessa discussão." O discurso saiu sem muito elogio, mas com alguns a Kim Il-sung. "Era uma idolatria tremenda." No fim, o grupo que Zarattini quis enviar à Coreia voltou para o Brasil. Como ele temia, a maioria acabou morta pela repressão.

Tudo o que sabemos sobre:
Coreia do NorteBrasil

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.