Aliança com PMDB é "trabalho de paciência", diz Berzoini

O presidente nacional do PT, deputado federal Ricardo Berzoini, garantiu nesta quinta-feira que seu partido manterá os esforços para atrair o PMDB para o palanque do presidente Luiz Inácio Lula da Silva nas próximas eleições, apesar dos obstáculos criados pela heterogeneidade da sigla e pelo desejo de parte da legenda de ter candidato próprio nas próximas eleições. Apesar de reconhecer que esta é uma tarefa bastante difícil, o presidente do PT afirmou que ainda não descarta completamente as chances de uma coligação formal com os peemedebistas."Estamos em meio a um trabalho de paciência e determinação", afirmou Berzoini, acrescentando que o quadro das negociações ainda não está claro e que é preciso aguardar pelo menos mais algumas semanas para avaliar melhor a situação. Ele apontou, por exemplo, que o resultado dos esforços do senador Pedro Simon de sustentar a tese da candidatura própria dentro da legenda só ficará claro após a convenção nacional peemedebista. "Acho que isso tudo só vai se resolver mesmo depois da convenção", acrescentou.Berzoini afirmou que continua conversando diariamente com lideranças do PMDB na tentativa de criar as condições para um acordo. Esse esforço, segundo ele, está sendo feito em duas frentes: uma focada no âmbito nacional, visando uma possível coligação; e outra nos Estados, para assegurar o apoio de boa parte do PMDB caso uma união formal não se viabilize. "Precisamos trabalhar nas duas frentes."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.