Aliança com Haddad é uma homenagem a Lula, diz PSB

Roberto Amaral terá jantar com Erundina nesta quinta, em que dará apoio para que ela aceite candidatura

DAIENE CARDOSO, Agência Estado

14 Junho 2012 | 18h46

SÃO PAULO - O vice-presidente nacional do PSB, Roberto Amaral, terá um jantar nesta quinta-feira, 14, com a deputada federal Luiza Erundina (PSB-SP), quando lhe dirá que ela tem o apoio total da legenda para aceitar o convite para ser vice na chapa de Haddad. "Erundina é uma bela aquisição para o Haddad", definiu o presidente estadual do PSB, deputado federal Márcio França. Com a presença do governador Eduardo Campos (PE), o PSB anuncia nesta sexta-feira, 15, o apoio formal à pré-candidatura do petista Fernando Haddad à Prefeitura de São Paulo.

Veja também:

link Erundina aproximará Haddad da periferia de SP, avalia PSB

link Erundina vai entusiasmar militância do PT, diz Carvalho

video PT aposta em Erundina como "vacina" antimensalão

No evento desta sexta, às 16h, o PSB se reunirá com a cúpula do PT e Haddad, em um hotel da zona sul da capital. Além de Campos, presidente nacional do PSB, participarão da reunião que selará a aliança o presidente nacional do PT, deputado estadual Rui Falcão, e dirigentes regionais das duas legendas. Os pessebistas ainda cogitavam ter a presença do governador do Ceará, Cid Gomes, mas segundo sua assessoria de imprensa, ele terá uma inauguração em Fortaleza e não poderá comparecer. O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva também participaria do evento, mas devido a exames na laringe e um procedimento cirúrgico, terá de poupar a voz e ficará em repouso.

"Estamos fazendo uma homenagem ao ex-presidente Lula. É assim que eu entendo essa aliança", afirmou França, que na semana passada deixou a Secretaria Estadual de Turismo do governo de Geraldo Alckmin (PSDB), após resistir a uma aliança com o PT na capital paulista. De acordo com ele, passada as negociações com os petistas (que envolveu o apoio do PT ao PSB em cidades estratégicas), o partido seguirá unido. "Decidido, não tem mais o que ser discutido. Decidido é um grupo só", resumiu França.

Com o provável "sim" de Erundina ao convite nesta noite, a deputada deve ser o destaque do anúncio da aliança nesta sexta-feira. Assim como Eduardo Campos, Márcio França também acredita que Erundina aproximará Haddad da periferia, uma vez que o petista contava com o apoio da senadora Marta Suplicy e até agora não pode contar com a força da ex-prefeita entre os mais pobres. "Ela vai suprir essa deficiência na periferia."

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.