Aliados tentarão desvincular caso Waldomiro do Planalto

Os partidos da base aliada vão atuar em sintonia na defesa do governo no Congresso para desvincular o caso Waldomiro Diniz do Palácio do Planalto. No jantar realizado ontem na residência do ministro das Comunicações, Eunício Oliveira, que reuniu líderes e ministros políticos do governo, ficou evidente que o apoio ao governo neste momento é fundamental, sobretudo para conter eventuais desdobramentos do escândalo envolvendo o ex-assessor da Casa Civil."Marcharemos juntos sem deixar sinais de dúvidas. Somos da base e temos de defender o governo em todos os momentos, mesmo diante de eventuais ônus. Mas sabemos também que haverá bônus, pois confiamos no governo", disse o líder do PMDB na Câmara, José Borba (PR), que participou do jantar.Segundo ele, a crise provocada pelo caso Waldomiro não dominou a conversa, mesmo porque o ministro da Casa Civil, José Dirceu, e o presidente da Câmara, João Paulo Cunha (PT-SP), chegaram muito tarde ao encontro e estavam aparentando cansaço. Confraternização e de harmoniaOs dois estavam retornando de Belém, depois de integrar a comitiva do presidente Luiz Inácio Lula da Silva em visita ao Pará. "O clima do jantar era de confraternização e de harmonia", completou Borba. Os parlamentares sabem que, assim que os trabalhos legislativos forem retomados na próxima semana, as atenções estarão concentradas na discussão da medida provisória que proíbe o funcionamento de casas de bingo e máquinas caça-níqueis no País. A relatoria da MP na Câmara deve ficar com o PT e, na próxima semana, o ministro da Coordenação Política, Aldo Rebelo, se reunirá com aliados na Câmara e Senado para estruturar o esquema de mobilização da base governista para cumprir a agenda política. O presidente do PMDB, deputado Michel Temer (SP), também compareceu ao jantar. Uma roda de peemedebistas se formou antes da chegada de Dirceu para conversar sobre o acordo em curso para a reeleição de Temer ao comando partidário. A convenção nacional do PMDB está marcada para 14 de março.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.