Aliados tentam minimizar acusações de vice de Serra sobre o PT e as Farc

Costa afirmou que o PT teria ligação com o narcotráfico e com os guerrilheiros das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia

Agência Brasil

20 Julho 2010 | 14h33

GOIÁS - Integrantes do PSDB e Democratas em Goiás tentaram hoje (20) minimizar as afirmações do indicado a vice-presidente na chapa dos dois partidos, Índio da Costa (DEM-RJ). No fim de semana, Costa afirmou que o PT teria ligação com o narcotráfico e com os guerrilheiros das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc). Ontem (19) o PT entrou com uma representação contra o candidato na Justiça Eleitoral.

 

Para o senador Marconi Perillo (PSDB-GO), que é candidato ao governo de Goiás, e o deputado Ronaldo Caiado (DEM-GO), que tenta a reeleição, a discussão em torno do assunto tem como objetivo evitar o debate em torno das denúncias de quebra de sigilo, vazando dados fiscais, do vice-presidente do PSDB, Eduardo Jorge.

 

"Não foi o DEM que trouxe este assunto. É um assunto explosivo de longa data, estão superdimencionando. É lógico que estão tentando transformar em escândalo para esconder o caso do sigilo bancário. A quebra do sigilo é que é grave", disse Caiado. " Ele [Índio da Costa] fez uma declaração forte, sem pensar nas consequências. Quis evidenciar as relações que todo mundo sabe que existe", disse Perillo.

 

Ambos evitaram afirmar que Costa teria sido imaturo politicamente ao tecer os comentários sobre o PT, as Farc e o narcotráfico. Para eles, o candidato a vice apenas expôs o que era opinião corrente entre alguns setores da política. Índio não viajou com Serra para Goiânia.

 

A candidata do PT à Presidência da República, Dilma Rousseff, disse ontem (19) que jamais esperava tais declarações do adversário político. "Acho impensável que a eleição desça a esse nível. Eu não descerei a esse nível", disse ao deixar a reunião com o PSB, em Brasília, onde recebeu sugestões dos socialistas para seu programa de governo.

 

O PT apresentou duas ações contra o deputado Índio da Costa (DEM-RJ). De acordo com o presidente nacional do partido, José Eduardo Dutra, uma das ações será por dano moral e a outra, apresentada na Justiça Eleitoral, contém um pedido de direito de resposta.

 

O candidato à Presidência da República pela coligação O Brasil Pode Mais, formada pelo PSDB, DEM, PPS, PTB e PT do B, José Serra, passa o dia hoje em Goiânia. O primeiro compromisso dele, sem a presença do candidato a vice, é um debate com empresários goianos que reclamam dos impostos e da falta de segurança para o setor e ausência de incentivos para a área.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.