Gustavo Lima/ Ag. Câmara
Gustavo Lima/ Ag. Câmara

Aliados na Câmara dizem a Dilma que ela ainda não tem maioria para aprovar CPMF

Em encontro com a presidente no Palácio do Planalto, líderes voltam a demonstrar insatisfação com direcionamento das emendas parlamentares a obras do PAC

Daniel Carvalho, O Estado de S. Paulo

17 de setembro de 2015 | 13h37

BRASÍLIA - Em reunião no Palácio do Planalto na manhã desta quinta-feira, 17, líderes da base aliada na Câmara disseram à presidente Dilma Rousseff que ela não tem hoje os 308 votos necessários para aprovar a Proposta de Emenda à Constituição que recria a CPMF.

No encontro, os líderes voltaram a demonstrar insatisfação com o direcionamento das emendas parlamentares a obras do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC). A expectativa dos governistas é que Dilma recue nesse ponto. "Ela sinalizou que entende essa questão, mas não deu resposta definitiva", disse o líder do PMDB, Leonardo Picciani (RJ). Espera-se que a questão seja tratada na próxima segunda-feira, 21, em reunião com o ministro das Comunicações, Ricardo Berzoini, que esta semana passou a cuidar da articulação política do governo.

Segundo o líder do PSD, Rogério Rosso (DF), a presidente estava serena e passou a conduzir pessoalmente a relação política com o Congresso. O parlamentar disse que a presidente garantiu que passaria a ter muito mais contato com as bancadas na tentativa de reestruturar a base e garantir a aprovação das medidas do ajuste fiscal. "Ao querer receber de forma mais direta o termômetro da Casa, ela está mais disposta a dialogar", disse Rosso.

O líder do governo na Câmara, José Guimarães (PT-CE), disse que a presidente não abordou com os líderes a reforma ministerial, prevista para ser anunciada até a próxima quarta-feira, 23. Guimarães também disse que não se tratou do movimento pró impeachment conduzido pela oposição. "Não estou preocupado com esta agenda dos conspiradores", disse o deputado.

A presidente também demonstrou aos líderes da base preocupação com a análise dos vetos, que deve ocorrer em sessão do Congresso marcada para a próxima semana. Os líderes cobraram do governo que divulgue o impacto financeiro da eventual derrubada dos vetos para que eles apresentem os dados às suas bancadas.  

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.