Aliados estabelecem cotas de presença para votações

Os partidos aliados do governo na Câmara decidiram estabelecer cotas de presença obrigatória de parlamentares de cada um deles nas sessões de segundas e sextas-feiras do plenário da Câmara, para garantir o quórum mínimo de 52 deputados presentes na Casa. O acordo, fechado hoje de manhã, em café dos líderes aliados com o ministro-chefe da Casa Civil, José Dirceu, na residência do presidente da Câmara, João Paulo Cunha, visa evitar o que ocorreu ontem, quando não houve quórum regimental para realizar a sessão, que não pôde ser computada para efeito de contagem de prazo para apresentação de emendas para as propostas de emenda constitucional de reformas tributária e previdenciária que tramitam na Casa. Na reunião de hoje, houve avaliação de que, como João Paulo Cunha prorrogou para 3 de julho e para 26 de junho, respectivamente, os prazos para apresentação de emendas para as reformas previdenciária e tributária, houve um certo afrouxamento entre os aliados, e isso precisa ser evitado. O líder do governo na Câmara, Aldo Rebelo (PCdoB-SP), assegurou que, daqui para frente, os líderes vão empenhar-se mais para garantir quórum. O vice-líder governista Professor Luizinho (PT-SP) informou que o governo trabalha com a idéia de escalar 75 deputados para assegurar o quórum. O PT vai participar com 20 deputados. Os números dos demais partidos serão definidos ainda hoje.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.