Aliados de Yeda aderem a CPI, para ação de blindagem

As bancadas aliadas do governo de Yeda Crusius (PSDB) aderiram, ontem, à CPI proposta pela oposição para investigar supostas irregularidades no Executivo do Rio Grande do Sul. O objetivo é blindar a governadora durante as investigações. O requerimento foi elaborado pela bancada do PT no início de maio, depois de escândalo indicando que o casal Carlos e Yeda Crusius teriam usado dinheiro do caixa 2 da campanha de 2006 para compra de um imóvel. O casal nega.Para aderir, os aliados queriam "fato novo", que surgiu na quarta-feira, quando o Ministério Público Federal anunciou estar movendo ação de improbidade administrativa contra Yeda e mais oito pessoas, com pedido de afastamento do cargo e bloqueio de bens. Três pedetistas assinaram imediatamente.Como as adesões pedetistas aprovavam a criação da CPI, as bancadas contrárias reavaliaram suas posições. Em apenas um dia o número de adesões passou de 17 para 38. A Assembleia gaúcha tem 55 cadeiras. A deputada Stela Farias (PT), que presidirá a CPI, comemorou a aprovação.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.